Preso em flagrante pelo cárcere e agressão de duas garotas de programa em Almirante Tamandaré, na região metropolitana de Curitiba, o caminhoneiro Reinaldo Luiz Chaves, de 30 anos, é investigado por possíveis crimes contra outras 14 mulheres. Segundo informações divulgadas pela Polícia Civil neste sábado (1), a suspeita se dá graças a declarações feitas por ele contras as vítimas. No caminhão, durante as horas de cárcere, ele teria afirmado às duas que estava com o “demônio” no corpo e que já teria matado mulheres várias vezes.

Vítimas sofreram várias agressões durante o cárcere (Reprodução)

Diante disso, o delegado Tiago Dantas optou por divulgar imagens do investigado, justamente para procurar ligações de possíveis desaparecimentos ou agressões no Paraná e em outros estados. “É nesse sentido que a Polícia Civil divulga imagens de Reinaldo, para que outras vítimas ou familiares que tenham conhecimento de desaparecimentos, compareçam até a delegacia. Não sabemos ao certo onde esses crimes teriam acontecido, já que ele é do estado de Minas Gerais e pode ter praticado esses crimes até mesmo em outros estados”, explicou.

No caso das vítimas de Almirante Tamandaré, uma teria sido mantida como refém por quase 24 horas, enquanto a outra foi vítima no dia anterior por cerca de 11 horas. O flagrante aconteceu na noite do último domingo (26).

Autor nega

Foto de Reinaldo foi divulgada para busca de novas vítimas

No interrogatório prestado à polícia, Reinaldo disse não se lembrar do primeiro caso por estar sob efeito de álcool e drogas. Na segunda situação, ele afirma que a vítima teria tentando furtar R$ 200 dele. “Essa uma versão que não prospera, já que ninguém agride tanto uma pessoa por um furto desses. Só de mordidas, encontramos mais de 30. Ela clamava por socorro e só conseguiu escapar graças a um descuido dele, que a possibilitou pular pela janela. Sem sombra de dúvidas, a intenção dele era matar”, disse o delegado Tiago Dantas.

Reinaldo está preso preventivamente, à disposição da Justiça de Almirante Tamandaré. Ele nega ser o autor dos crimes e a Polícia Civil já está em contato com autoridades de Minas Gerais para apurar o possível envolvimento dele em outros crimes.

Ambas as vítimas passaram por exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML). O suspeito pode responder por tentativa de homicídio, estupro e cárcere privado.