As audiências do caso da morte do professor de Geografia, Ronaldo Pescador, de 40 anos, começam nesta terça-feira (19), às 13h30, no Tribunal do Júri. A vítima foi encontrada morta na manhã do dia 1° de dezembro de 2019, em Curitiba, no banco do próprio carro, com uma lingerie na boca.

Foto: Reprodução

De acordo com o advogado Airton Adonski Júnior, que defende um dos suspeitos envolvidos no crime, neste primeiro momento serão ouvidas as testemunhas da acusação. “Serão ouvidas sete testemunhas arroladas pela acusação. Posteriormente será aprazada a nova data para a oitiva das testemunhas arroladas pelas defesas, seguidos dos interrogatórios”, explicou.

Prisões

Três suspeitos foram presos pela morte do professor de geografia da rede estadual de São José dos Pinhais, Região Metropolitana de Curitiba. De acordo com o delegado Tito Lívio Barichello, da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), tudo aconteceu depois de uma festa rave e um after, onde houve o uso de drogas.

“Participaram de uma festa rave e vieram até o sobrado, onde usaram drogas e muito álcool. Oito investigados e a vítima passaram a agredir o professor física e psicologicamente. A vítima estava deitada, foi torturada e morta com uma faca de cozinha no coração”, afirmou o delegado à Banda B, na ocasião em que trabalhava no inquérito criminal.

Além da lingerie na boca, o corpo do professor foi encontrado enrolado em um tapete, em um lençol e amarrado com fios elétricos no banco do próprio carro.