Uma quadrilha que planejava um assalto na casa de um empresário que vive em uma chácara na zona rural de Mandirituba, na região metropolitana de Curitiba, trocou tiros com o Batalhão de Operações Especiais (Bope), na madrugada desta terça-feira (16). Dois suspeitos foram atingidos e morreram na hora. Dois foram presos e, pelas informações no local, um continua foragido.

O acompanhamento da situação começou por volta das 19h30 desta segunda-feira (15), quando um Fiat Palio, com placas de Guaratuba (Litoral do Paraná), foi abordado por policiais da Rone. Nele, dois homens e uma mulher ficaram bastante nervosos e confessaram que se juntariam a outras pessoas para praticar um assalto na casa de um empresário conhecido em Fazenda Rio Grande, município que faz limite com Mandirituba. Os três foram detidos.

O cerco foi montado pelos policiais do Bope ainda durante a noite, na Estrada das Onças, na localidade de Águas Claras. “Eles confessaram que iriam participar desse roubo, os policiais acharam essa localidade, a residência. Com técnicas, os policiais se aproximaram e conseguiram contato com a família, que informou que não tinha acontecido nada, até aquela hora. Durante aquela conversa, os indivíduos chegaram para efetuar o roubo, com submetralhadora, espingarda calibre 12, pistolas .40, revólver 357, balaclava e coletes balísticos”, detalhou o capitão do Bope Gustavo Dalledone Zancan.

Neste momento,  o Bope estava dentro da casa e houve um primeiro confronto, porém,  todos conseguiram escapar.

Já durante a madrugada, em nova troca de tiros, dois suspeitos foram atingidos e morreram na hora. Duas ambulâncias do Serviço Integrado de Atendimento ao Trauma em Emergência (Siate) foram acionadas, mas os suspeitos não resistiram aos ferimentos. O Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba fará o recolhimento dos corpos.

Dois integrantes da quadrilha foram presos e um conseguiu fugir pelo matagal. “Existe uma terceira pessoa que possivelmente está baleada”, completou o capitão Zancan. Um dos autores abandonou ainda uma espingarda calibre 12 com quatro munições intactas.

Mentora

De acordo com a Polícia Militar (PM), a mentora do assalto seria alguém próxima ao empresário, que tinha ciência de valores em espécie dentro da casa. “Foi relatado que há um grau de parentesco de uma dessas pessoas que estava articulando o crime, de que havia dinheiro dentro dessa casa. Essa pessoa já está identificada”, finalizou o capitão.

O nome da suspeita deverá ser revelado em breve pela polícia. O caso está sendo investigado pela delegacia de Fazenda Rio Grande.