Três músicos de rua foram detidos pela Polícia Militar, na tarde desta quarta-feira (31), após denúncia de uma empresária no Calçadão da XV de Novembro, no Centro de Curitiba. De acordo com a denunciante, que é dentista e trabalha há décadas na região, o barulho impede o bom exercício de sua profissão, o que motivou a denuncia.

A tenente Félix, do 12° Batalhão, explica que perturbação de sossego não tem horário para acontecer e foi isso que motivou a detenção dos três e a apreensão de equipamentos musicais. “Foram duas ligações ao 190 e a dentista veio até aqui para formalizar a denúncia. É nosso dever tomar essas providências quando temos reclamações como essa”, explicou ela.

A dentista Lilian Fontoura Klas, autora das denúncias, afirma que não é contra artistas de rua, mas o som é excessivamente alto e isso atrapalha o seu trabalho. “Não sou contra artistas de rua, mas eles atrapalham o meu trabalho com um som excessivamente alto. Só quero o direito de trabalhar em paz”, disse Klas que conta ainda sobre um abaixo-assinado de vários comerciantes da rua XV contra as apresentações dos músicos no local.

“Nós temos um abaixo-assinado de todos os comerciantes da rua XV, enviado ao Ministério Público desde 11 de julho de 2017, mas que ainda não nos deu nenhum retorno. Já conversamos também com a Secretaria de Cultura e com a Prefeitura pedindo que a lei seja cumprida e que arranjem um outro local para esses músicos se apresentarem”, afirmou a dentista que precisou desmarcar as consultas em sua agenda para formalizar a denúncia no Batalhão da PM.

“Eu estava fazendo uma cirurgia, tive que deixar meu paciente anestesiado, além de desmarcar toda a minha agenda de hoje. Quem paga isso pra mim?”, reclamou a profissional da saúde.

O músico Luiz Lima, um dos artistas detidos e com equipamentos apreendidos nesta tarde (31), defende seu trabalho dizendo que o local onde faz suas apresentações não é irregular, inclusive com a anuência da Secretaria Municipal de Meio Ambiente. “Estamos em um local onde é permitido se apresentar. O pessoal da Secretaria Municipal de Meio Ambiete, volta e meia, vêm medir o decibéis das caixas de som e está tudo liberado”, contou Lima.

Os músicos e a dentista foram encaminhados para a sede do 12° Batalhão da PM, onde um termo circunstanciado (TC) foi assinado e, posteriormente, devem ser ouvidos em uma audiência de conciliação.