O dia 7 de abril de 2020 nunca mais sairá da memória de José Nilson Lima, de 39 anos. Foi neste dia que a mãe dele, Terezinha de Castro Lima, de 62 anos, foi encontrada morta dentro de casa, no bairro Tatuquara, em Curitiba.  Pouco mais de um mês depois, a família da idosa sequer sabe se houve violência sexual, hipótese levantada pela polícia no início das investigações.

“Minha mãe era evangélica e só saia de casa para ir para a igreja. Na época do crime, nem isso fazia porque os cultos tinham sido suspensos. Não se relacionava com ninguém e até hoje nãos abemos de nada das investigações. Quem matou a minha mãe? Ela foi estuprada ou não? O laudo do IML disse o que? Precisamos de respostas”, apela o filho, em entrevista à Banda B nesta segunda-feira (11).

Terezinha Lima foi assassinada e a autoria é um mistério – Foto: Arquivo pessoal

Terezinha foi encontrada morta no quarto. Ela estava apenas com roupas íntimas, o que levantou a hipótese de crime sexual. Ela sofreu vários golpes no rosto, mas, na época, apenas exames complementares poderiam apontar a causa da morte.

“Sabemos que que não tinha nenhuma marca de arrombamento. A casa estava fechada por fora, com chave e acreditamos que possa então ter sido alguém conhecido que, inclusive, jogou água sanitária pela casa toda para apagar evidências”, diz o filho.

Num primeiro momento, o caso foi registrado como latrocínio porque foi dado falta do celular da vítima e de R$ 450 e o celular da vítima.

Resposta

A Banda B procurou a assessoria da Polícia Civil que respondeu: “O caso segue sendo investigado e a Polícia aguarda laudos periciais. Não podem ser divulgados outros detalhes, para não atrapalhar o andamento do inquérito policial”, diz a nota.