Por Denise Mello e Djalma Malaquias

guarda9Polícia cerca a casa do guarda municipal esfaqueado pela esposa em SJP – Foto: DM/Banda B

Depois de sete horas de negociação, a mulher de 22 anos que estava trancada no banheiro de casa e ameaçava se matar se entregou a policiais militares do Batalhão de Operações Policiais Especiais. A jovem estava com a arma do marido, que é guarda municipal em São José dos Pinhais, região metropolitana de Curitiba. Durante uma discussão, ele foi esfaqueado por ela, mas já foi medicado e não corre risco de morte. Negociadores tentaram durante horas convencê-la a se entregar e o objetivo era poupar a vida dela, segundo informou o capitão Periguary, do 17º Batalahão da PM.

A mulher foi entregando as munições da arma aos negociadores até ficar com apenas uma bala no revólver. Foi então que aceitou se entregar. Ela foi encaminhada ao hospital para tratar um ferimento na mão causado na briga com o marido e, na sequência, será encaminhada à Delegacia da Mulher.

Em entrevista no meio das negociações, o capitão Periguary disse que ela já estava mais calma. “Ela está mais calma porque já faz quatro horas que estamos negociando para ela se entregar. Não sabemos quanto tempo esta operação vai durar. O objetivo é retirá-la de lá com vida para que seja medicada e encaminhada à delegacia da Mulher. O que sabemos é que as brigas do casal são constantes e já há o registro dela ter dado uma garrafada nele. O marido também já a agrediu”, informou.

A briga do casal começou por volta das 4 horas quando a PM foi acionada por vizinhos pelo fone 190. Quando a polícia chegou, a mulher já tinha dado uma facada no marido e arrancado a arma dele. “Ela chegou a dar um tiro que, felizmente, não acertou ninguém. Só os dois estavam na casa. Quando ela viu a polícia, se trancou no banheiro armada dizendo que vai se matar”, disse o capitão.

Todo o local na rua Juiz Danilo Bertolin, no bairro Cidade Jardim, foi isolado. Dezenas de policiais do Comando e Operações Especiais (COE), Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE), o 17º Batalhão da PM e a Guarda Municipal de SJP cercaram a casa.

A negociação

O capitão Paulo Ciloto, do BOPE, disse que a negociação para que a mulher se rendesse foi feita pela equipe especializada em gerenciamento de crise. No começo, ela estava muito nervosa, mas depois se acalmou. “Num primeiro momento, a negociação foi difícil porque o marido se encontrava dentro da casa ferido. Mas conseguimos que ele saísse e ela se trancou no banheiro. Ele foi socorrido e está bem. Percebemos que ela estava bastante transtornada e relatava que tinham brigado e que havia sido agredida, por isso reagiu. Este momento tenso inicial já passou e agora ela fala o tempo todo o que vivia com o marido, as brigas, e os negociadores estão ouvindo e a acalmando”, relatou o capitão do BOPE.

guarda7Policiais cercam o local