(Fotos: Djalma Malaquias – Banda B)

 

Funcionários e alunos do Colégio Estadual João Ribeiro, em Colombo, na região metropolitana de Curitiba, realizaram na manhã desta terça-feira (19) uma manifestação contra a falta de segurança nos arredores da escola. Na manhã de ontem, uma professora da biblioteca foi abordada por dois assaltantes no estacionamento, que atiraram contra o carro dela. Ela escapou dos disparos por pouco.

Indignados com a situação, os docentes e estudantes se reuniram na frente do colégio, localizado no bairro São Gabriel, para protestar. “A coisa está gravíssima. Ontem uma colega nossa sofreu praticamente uma tentativa de homicídio. Os marginais deram coronhadas no vidro do veículo dela e atiraram duas vezes. Ela poderia não estar viva hoje, nós não nos sentimos nem um pouco seguros aqui”, comentou a professora Cristiane Pereira, que participou da manifestação, em entrevista à Banda B. A funcionária que foi vítima dos assaltantes continua em estado de choque e se recupera em casa.

Para Rafael Assis, diretor-geral do colégio, o ato é uma forma de chamar a atenção das autoridades para o problema. “Nós precisamos de mais policiamento. Vivemos com risco de assaltos, inclusive os alunos, que também são vítimas. Eles têm os celulares, tênis e materiais roubados”, afirmou.

Vários estudantes também participaram da ação, carregando cartazes com as frases “Queremos um futuro sem medo” e “Não há uma boa segurança sem uma boa educação”. “Segurança é o que mais falta aqui, os ladrões levam tudo. A minha amiga foi assaltada há pouco tempo… E nós, meninas, temos medo de assalto e também de sermos estupradas por um desses bandidos. Ontem nós quase perdemos uma professora. Precisamos sim chamar a atenção”, desabafou Elen Ribeiro, aluna da escola.

Sobre a reclamação dos manifestantes, a Banda B entrou em contato com a Polícia Militar (PM), que enviou a seguinte nota:

O 22º BPM, responsável pelo policiamento na região, está aplicando seu efetivo em toda a cidade de Colombo diuturnamente. As ações foram intensificadas recentemente com a aquisição de novas viaturas adquiridas pelo Governo do Estado. Além do policiamento rotineiro, a Patrulha Escolar Comunitária também atua na região diariamente e, inclusive, faz palestras e orientações em escolas. No entanto, a PM vai intensificar as ações na região.

Se as pessoas já possuem imagens de câmeras de segurança, bem como características de marginais envolvidos devem ir até a Polícia Civil e entregar o material, pois ela é responsável pela investigação de fatos já ocorridos. As pessoas podem fazer denúncias por meio do 181 e devem registrar o boletim de ocorrência, o que embasa a readequação do policiamento.

A Corporação orienta que os cidadãos utilizem o telefone de emergência 190 sempre que necessário.

 

Notícia relacionada