A família da advogada Simone Terezinha Rodrigues, de 45 anos, que morreu no hospital logo após sofrer uma acidente, na noite de segunda-feira (22), em Curitiba, está revoltada e pede justiça. A mulher estava com a filha no carro no momento que colidiu contra outro veículo no bairro Portão. A jovem, de 22 anos, teve ferimentos moderados e já está em casa. Já a advogada, morreu ao dar entrada no hospital. A família de Simone alega que o motorista do outro veículo se negou a fazer o teste do bafômetro e pede que a justiça seja feita.

 

Foto: Reprodução/Facebook

De acordo com o cunhado de Simone, Celso Nunes, ao chegar no local, já estavam lá dois advogados do motorista do outro veículo. “Eles não sabiam que ela tinha morrido. A partir do momento que eu informei aos policiais e também aos advogados, eles recuaram e esconderam o motorista do outro carro. Tentaram contestar que foi um acidente. Então eu falei que se é um acidente, para fazer o teste do bafômetro”, esclareceu o cunhado à Banda B.

Os advogados disseram ao cunhado que é uma direito a escolha de não fazer o teste. “Eu persisti nisso, mas eles tiraram o rapaz de lá. Fui até a delegacia para pedir que fosse feito o teste. Várias pessoas se colocaram a disposição de ser testemunha, que o rapaz estava em alta velocidade e que ele não quis fazer de forma nenhuma o teste”, disse Celso.

Além de advogada, Simone também era contadora. O cunhado disse que ele e toda a família esperam a que a justiça seja feita. “Ela é uma advogada, contadora, tem um escritório de advocacia, a família inteira está feliz por ela, e veja onde acabou tudo isso. Isso é o início de um grande sofrimento para a família. A única coisa que pode nos confortar, é que seja feita a justiça”, completou o cunhado.

Em nota, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), lamentou a morte de Simone e prestou condolências à família.

O acidente

A mulher estava com a filha no carro Nissan March branco quando colidiu contra um veículo Ford Fiesta preto, no cruzamento da rua Pinheiros Guimarães com a rua Carlos Diestchz. Segundo o cabo Goslar, do Batalhão de Polícia de Trânsito (BPtran), não há sinalização de limite de velocidade na via, nem equipamentos que possam medir a velocidade em que o veículo se deslocava no momento do acidente.

Foto: Daniela Sevieri/Banda B

 

“Estamos apurando os fatos para fazer o levantamento do acidente, mas não há sinalização de velocidade na via e também não tem nenhum equipamento que possa medir a velocidade em que o veículo estava”, disse ele.

O motorista do Ford Fiesta não sofreu ferimentos foi encaminhado para a Delegacia de Delitos de Trânsito (DEDETRAN).

O caso está sendo investigado também pelo DEDETRAN.