Velório do jovem causou comoção e dor. Foto: DS/Banda B

 

A Polícia Civil apreendeu o adolescente de 17 anos acusado de participar da morte de Carlos Ramon Dias Del Antonio, 18, durante um assalto em Colombo, na região metropolitana de Curitiba. No entanto, mesmo confessando o crime, não permaneceu na delegacia. Para o Poder Judiciário do município, o adolescente irá responder em liberdade, mesmo já tendo passagens pelo sistema policial. O comparsa dele, de 19 anos, que golpeou a vítima na nuca, segue foragido.

A apreensão do adolescente aconteceu em menos de 24 horas do crime pela comoção que a demora no recolhimento do corpo da vítima gerou para a família. O corpo de Carlos Ramon foi recolhido pelo Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba 13 horas após o crime. A família passou a madrugada ao lado do corpo.

Carlos Ramon tinha 18 anos. Foto: Arquivo família

No entanto, com a liberdade do suspeito adolescente, os pais lamentaram ainda mais. “A justiça daqui é muito falha. Eu poderia chegar até essa pessoa e fazer justiça com as próprias mãos, mas não. Deus não quer isso pra minha família, nós não somos assassinos. Que a justiça seja feita, que seja hoje ou daqui dez anos”, disse o pai de Carlos Ramon, Edi Carlos.

O delegado Irineu Portes, da Delegacia Central de Colombo, disse que os dois envolvidos na morte do jovem já tinham passagens pela polícia. “Ambos têm passagens pelo sistema, já. Quando saíram de casa, no dia do crime, um escondeu uma faca embaixo da blusa e o outro tinha uma pistola de brinquedo. Eles viram três pessoas na rodovia e passaram a perseguir essas pessoas porque estavam falando no celular. Eles deram a volta e ficaram aguardando um momento propício. Nisso, quando eles abordaram as mulheres para roubar os celulares, o Carlos Ramon deu um pontapé no maior, que pegou a faca e atingiu ele na nuca”, descreveu.

Inicialmente, a suspeita era de que Carlos Ramon tivesse sido assassinado a tiros. A perícia confirmou após o recolhimento que o jovem, na verdade, foi morto com um golpe de faca na nuca.

O suspeito de 19 anos continua foragido e qualquer informação sobre o paradeiro dele pode ser repassada à Delegacia de Polícia Civil de Colombo ou por meio do 190. O adolescente em liberdade vai responder por roubo seguido de morte e, se condenado, pode ficar internado por até 3 anos, prazo máximo para delitos graves, conforme determina o Estatuto da Criança e do Adolescente. Já o foragido pode responder por uma pena que varia de 20 a 30 anos de prisão.

Despedida

O velório de Carlos Ramon aconteceu no Cemitério Memorial Parque das Araucárias, na região do Bairro São Gabriel. A despedida foi bastante triste e a família ainda inconformada com o crime.

“Eu eu estou sentindo a dor que muitos pais já sentiram, que é perder um filho, novo ou velho. É uma dor que não tem explicação, só Deus pra dar força para a gente nesse momento. A gente luta, luta pra fazer o filho andar em um caminho certo, aí vem outra pessoa, que não teve oportunidade na vida, e faz essa injustiça com meu filho. Não sei se consigo perdoar essa pessoa”, lamentou o pai da vítima.

 

Notícias relacionadas: