Uma garota de 14 anos procurou a polícia na noite desta segunda-feira (7) para denunciar um caso de estupro no local de trabalho, em um comércio no bairro Eucaliptos, em Fazenda Rio Grande, na região metropolitana de Curitiba. O acusado é um comerciante com cerca de 50 anos, dono de um bar na região, que já teria tentado abusar de outras meninas. Vizinhos se revoltaram com a denúncia, destruíram o bar do acusado e atearam fogo no carro dele. O comerciante foi preso e encaminhado para a Delegacia de Fazenda Rio Grande.

O comércio fica na Travessa Mogno, quase na esquina com a Rua Pau Brasil, na região do Eucaliptos. Em depoimento à polícia, a adolescente contou aos policiais que trabalhava no comércio há poucas semanas. “Ela estava acompanhada da mãe e foi pedir ajuda na sede da Companhia por uma situação de estupro. Ela contou que foi obrigada a ingerir bebida alcoólica, perdeu a consciência e acordou na cama do homem, nua, amarrada e com dores nas partes íntimas. Ela contou que conseguiu se soltar e correu pedir ajuda”, descreveu o tenente Conrado, do 17º Batalhão da Polícia Militar, à Banda B.

O tenente ainda explicou que havia cerca de duzentas pessoas em frente ao comércio dele quando a polícia chegou ao local, após a denúncia de estupro. “Tinham cerca de duzentas pessoas tentando capturar o indivíduo, mas conseguimos realizar a prisão dele, que estava escondido em um cômodo da casa e encaminhá-lo a delegacia para realizar a prisão em flagrante”, finalizou o tenente.

A adolescente foi encaminhada a Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) de Fazenda Rio Grande para realização de exames e ingestão de coquetéis em prevenção à doenças sexualmente transmissíveis e gravidez.

Vítimas

Um morador do bairro, que preferiu não ser identificado, disse que essa não era a primeira vez que o comerciante tentava abusar sexualmente de suas funcionárias. “Já é a quarta vez que ele tenta alguma coisa com as meninas. Ela chegou em casa e contou pro irmão, aí ele veio aqui e a gente, também.  Mas, ele se mocou lá no telhado, mas todo mundo estava aqui e todo mundo quebrou a loja dele até a polícia chegar. Ele foi levado pela polícia, ainda bem, porque se o povo pega ele aqui embaixo ia ser pior. Estuprador tem que morrer, imagine se fosse a filha de qualquer um aqui”, completou o morador.

Uma das vítimas do comerciante é uma menina de 15 anos, que à época tinha 14 e trabalhava no local. “Ele perguntava se eu tinha namorado, vinha com esses papos. Um dia ele me mandou limpar o quarto dele, quando estava lá, ele me jogou na cama e tentou me estuprar, mas tinha uma outra mulher trabalhando e ela me ajudou, quando eu gritei”, detalhou. Ela disse que não procurou a polícia para denunciar o homem.

Crime

O acusado foi encaminhado a Delegacia de Polícia e segue preso. à disposição da justiça. A pena para o crime de estupro varia de 8 a 12 anos de prisão.