Um acusado de participar da morte do agente penitenciário, Lourival de Souza, de 49 anos, em Piraquara, na região metropolitana de Curitiba, foi preso pela Polícia Civil. Além dele, outros três suspeitos participaram do crime e estão sendo procurados. O preso pelo Centro de Operações Policiais Especiais (Cope) foi encontrado no bairro Alto Boqueirão, em Curitiba, na última sexta-feira (21). No momento da prisão, ele quebrou o celular para evitar que os policiais conseguissem identificar o paradeiro dos outros suspeitos.

 

 

 

O delegado responsável pelas investigações, Rodrigo Brown, disse à Banda B que o acusado de participar do crime contra o agente é de alta periculosidade e integrante de facção criminal. “Tivemos esse grave episódio, onde perdemos um policial na área penal, covardemente assassinado dentro de casa, tomando banho, não possibilitou qualquer chance de fuga, resistência. Felizmente, conseguimos identificar e encontrar esse suspeito, que teve o nome ventilado ainda no local do crime, um bandido já conhecido com três mandados de prisão, envolvimento com facção criminosa, dois mandados preventivos por homicídio, mais um por evasão onde cumpria pena por roubo qualificado. Ou seja, uma pessoa extremamente perigosa e de difícil localização, levamos a semana toda fazendo diligência para localizá-lo nesse endereço”, detalhou.

 

Máscara apreendida com o suspeito. Foto: PC/Divulgação

 

O acusado estava com a mesma máscara usada no crime e no retrato falado, divulgado pela Polícia Civil. Segundo o delegado, o suspeito tentou fugir e quebrou o celular dele. “No momento da prisão, ele tentou fugir e a maior preocupação dele foi quebrar o celular dele para que nós não pudéssemos acessar os dados e localizar os seus comparsas da prática desse crime. Mas, já estamos com as diligências bem avançadas e vamos elucidar”, completou.

No dia do crime, os bandidos usaram um veículo Jetta, de cor preta, na fuga. Um carro com as mesmas características foi incendiado momentos depois do crime perto do Zoológico Municipal de Curitiba.

Áudio

Uma mensagem de áudio enviada pelo agente penitenciário assassinado a um amigo mostra que ele estava jurado de morte. Segundo familiares, Lourival não contou sobre as ameaças para evitar desespero entre os parentes.

Profissão

O agente era funcionário do Departamento de Execução Penal do Paraná há 17 anos. Lourival foi inspetor na Penitenciária Estadual de Piraquara, a PEP 1. Atualmente estava lotado na Seção de Operações Especiais, o SOE.