A ADEPOL-PR (Associação dos Delegados de Polícia do Paraná) divulgou, nesta sexta-feira (24), uma nota em que lamenta a saída do ex-juiz Sérgio Moro do Ministério da Justiça e Segurança Pública, bem como também a exoneração do ex-diretor-geral da Polícia Federal (PF), o delegado Maurício Valeixo. Ambos deixaram o cargo após divergências com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

(Foto: Divulgação)

 

De acordo com a ADEPOL, a PF, assim com as Policiais Civis, “devem desempenhar as suas atividades constitucionais e investigativas com autonomia e independência, atendendo toda a sociedade e primando pela isonomia na aplicação da lei, que deve ser igual para todos”, diz trecho da nota.

No documento, a ADEPOL também criticou a ingerência política sobre as policias. “É uma afronta ao Estado Constitucional e Democrático de Direito e deve ser, portanto, repudiada. Pensamos que, diante dos últimos acontecimentos, é hora do governador do Paraná, Ratinho Junior, sair na frente, de forma pioneira, e dotar de autonomia a Polícia Civil do Paraná, por meio do envio de uma PEC (proposta de emenda á Constituição) à Assembleia Legislativa“, pede a associação.

A nota é assinada pelo presidente da Adepol, o delegado Daniel Prestes Fagundes.