Por Marina Sequinel e Juliano Cunha

alto-maracana1(Foto: Juliano Cunha – Banda B)

A Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Alto Maracanã, em Colombo, na região metropolitana de Curitiba, registrou duas mortes nesta quinta-feira (19), segundo os usuários do local. A informação é de que não há leitos disponíveis nas Unidades de Terapia Intensiva (UTI) dos hospitais da cidade e os pacientes em estado grave precisam esperar na UPA.

alto-maracana2(Foto: Juliano Cunha – Banda B)

Um dos casos mais delicados é o do pintor Gerson Paulo Bressan, de 48 anos, que já teve três paradas cardíacas e apresenta quadro de infecção generalizada desde esta quarta-feira (18). “Aqui não tem o remédio necessário para que ele consiga sobreviver e nós não sabemos o que fazer. Além disso, não tem leito de UTI, de acordo com a central, e ele está entre a vida e a morte. Nós soubemos que um bandido levou uma bala na cabeça e foi levado para a UTI na hora. E o meu irmão, como fica? Ele vai morrer”, relatou Sandra, irmã do paciente, em entrevista à Banda B.

Já Maria da Luz Machado, de 66 anos, estava em coma e acabou falecendo no início da tarde de hoje após sofrer um aneurisma. Segundo familiares, ela foi até a UPA na segunda-feira (16) e recebeu alta no dia seguinte, com o diagnóstico de depressão. Ela voltou para a Unidade e, como não havia leito disponível na UTI, ficou internada. A morte foi registrada por volta das 15h.

A Banda B entrou em contato com a Prefeitura de Colombo, que mandou uma nota para explicar a situação. Segue o texto na íntegra:

“- No caso da criança Diego Junior de um mês: o bebê chegou na UPA na madrugada de hoje, roxo, em parada cardiorrespiratória avançada, onde foram realizados todos os procedimentos de reanimação, mas infelizmente a criança veio a óbito;
– No caso da senhora Maria da Luz , de 66 anos: a paciente chegou para consulta nesta quarta-feira à tarde, seguindo para exame de tomografia em Campo Largo, onde foi constatado uma mancha no cérebro. A partir deste diagnóstico, os profissionais da Unidade cadastraram a paciente na Central de Leitos. Neste período, ela ficou em observação na sala de Alto Risco, onde sofreu uma parada cardiorrespiratória, neste momento foram realizados todos os procedimentos médicos de reanimação, mas sem sucesso;
– No caso do senhor Gerson Bressan – 48 anos: o paciente veio no dia 18 a tarde, do hospital psiquiátrico San Julian em parada cardiorrespiratória, com ventilação mecânica, e foi reanimado. O caso é de infecção generalizada e neste momento ele encontra-se na Sala de Alto Risco da UPA, está medicado aguardando uma vaga na Central de Leitos;
– A Central de Leitos é gerenciada pelo Estado e pela Prefeitura de Curitiba, e assim que tenha vaga disponível esta prefeitura imediatamente encaminha os pacientes.
Sendo o que tínhamos a informar, nos colocamos ao inteiro dispor para eventuais outros esclarecimentos que se fizerem necessários.”