Receber o diagnóstico de covid-19 não é nada fácil. Afinal, a doença está cercada de incertezas do ponto de vista médico e científico e de inseguranças de uma perspectiva pessoal.

Agora, imagine se recuperar do quadro e, algumas semanas depois, voltar a sofrer com sintomas sugestivos dessa infecção, como febre, tosse seca, cansaço e falta de ar. Na sequência, um novo exame confirma a suspeita: o coronavírus invadiu o organismo novamente.

Maioria dos pacientes que tiveram covid-19 possui imunidade que dura ao menos seis meses. Foto: GETTY IMAGES

Sim, a reinfecção pode acontecer e há algumas dezenas de casos confirmados no mundo. A boa notícia é que, pelo que foi observado até o momento, essa possibilidade é raríssima.

Vamos aos números: de acordo com a agência de notícias holandesa BNO News, um dos únicos veículos a compilar dados globais sobre esse assunto, há atualmente 26 casos confirmados de reinfecção no planeta. Desses, 25 pacientes se recuperaram bem e apenas um morreu. A média de tempo entre o primeiro e o segundo episódio de covid-19 é de 76 dias.

O site ainda calcula que existam outros 893 casos suspeitos de reinfecção, que ainda precisam ser analisados mais de perto.

No Brasil, o Ministério da Saúde afirma que não foram oficializados episódios desse tipo. Mas há um estudo publicado em setembro que detectou a reinfecção numa técnica de enfermagem de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo. Além dela, existem cerca de 95 pacientes com uma situação parecida que seguem em investigação por aqui.

Mas, afinal, o que já se sabe sobre esses episódios duplicados de covid-19? E como eles podem influenciar a segunda onda de casos ou a eficácia das vacinas?

Para responder a essas perguntas, precisamos antes entender como nosso organismo cria imunidade contra esse e outros vírus.

Defesa ativada

Ao detectar um invasor como o Sars-CoV-2, o coronavírus responsável pela pandemia atual, nosso sistema imunológico trabalha para contra-atacar e livrar o corpo da ameaça. Esse processo é mediado por duas células: os linfócitos B e T.

“Os linfócitos B são responsáveis por produzir os anticorpos, as imunoglobulinas que conhecemos pelas siglas IgG, IgA, IgM…”, explica o médico João Viola, presidente do Comitê Científico da Sociedade Brasileira de Imunologia.

Leia matéria na íntegra clicando aqui.