Após a Secretaria de Estado da Saúde anunciar que instalou mais um ponto de coleta de amostra para exame de detecção no novo coronavírus em Curitiba em sistema drive thru, muita gente procurou atendimento sem recomendação médica. O resultado foi grandes filas nesta terça-feira (5), na sede da Central de Apoio da Sesa, no bairro Jardim Botânico.  A Sesa ressalta que o agendamento neste posto de coleta é realizado apenas após o encaminhamento médico.

Para realizar a coleta para o exame RT-PCR, o paciente deve passar por uma consulta médica. Após o cadastro do paciente no Sistema Notifica Covid-19 o próprio serviço de saúde solicita o agendamento no serviço de drive thru. Não serão atendidos pacientes de forma direta, somente após a solicitação de um médico mediante avaliação individual. O funcionamento é de terça a sábado, entre 8h e 14h.

Foto: Sesa

Oito pessoas trabalham no local, sendo uma enfermeira responsável e sete bolsistas que são estudantes de enfermagem e farmácia. Embora a equipe tenha começado a coletar amostras no dia 21, as atividades do grupo iniciaram há mais tempo com a realização de treinamentos para o uso do sistema, para a coleta do swab (tipo de cotonetes flexíveis) pelas vias respiratórios, manuseio dos produtos e amostras e também da paramentação e desparamentação de equipamentos de proteção individual.

O secretário estadual da Saúde, Beto Preto, afirmou que a estratégia utilizada foi exitosa e por isso está sendo replicada. “Ofertar a possibilidade de coleta para pessoas que estão investigando o diagnóstico sem que ela precise sair do carro facilita que a pessoa que muitas vezes não pode deixar seu filho sozinho em casa ou que esteja com muitos sintomas, seja testada”.

A estratégia de coleta de swab em sistema drive thru está em execução desde 14 de maio no Hospital de Infectologia e Retaguarda Clínica – Oswaldo Cruz, em Curitiba. Até o dia 31 de dezembro foram coletadas 11.500 amostras para realização do exame RT-PCR. O exame pelo método RT-PCR identifica a presença do vírus no organismo do paciente é feito a partir da coleta de material genético com swabs nas vias respiratórias.

As amostras são enviadas para o processamento na Unidade de Apoio para Diagnóstico da Covid-19, parceria do Tecpar (Instituto de Tecnologia do Paraná), Fiocruz e Instituto de Biologia Molecular do Paraná (IBMP). Em conjunto com laboratórios públicos e privados, já foram realizados mais de 1,4 milhão de exames pelo método RT-PCR no Estado.