Uma nova molécula desenvolvida pelo Grupo L’Oreal visa clarear manchas de forma localizada, sem mudar o tom da pele. Batizada de Melasyl, foi desenvolvida para atuar contra hiperpigmentação, como manchas senis, marcas pós-acne e melasma.

Um levantamento feito pela empresa mostrou que a prevalência de desordens pigmentares no Brasil é de 62%, o que refletiria a diversidade dos diferentes fototipos do país. O estudo, que aguarda publicação, analisou amostras de 48 mil pessoas em 34 países.

Delphine Kerob, dermatologista e diretora científica internacional da La Roche-Posay, do Grupo L’Oréal, explica que foram avaliados melanócitos (células que produzem melanina) de diferentes fototipos para garantir que os produtos funcionem em todos os tons de pele.

MELASMA
Novo ativo promete suavizar manchas sem clarear a pele da região – Foto: Divulgação/Grupo L’Oréal

A profissional afirma que o tratamento com a substância atua na “hiperpigmentação pós-inflamatória, melasma e mancha solar não são genéticos, mas influenciados pela cor da pele e exposição ao sol”.

Peggy Sextius, pesquisadora especializada em biologia da pele e distúrbios pigmentares da L’Oreal, explica que após encontrar a primeira molécula, foi necessário modificá-la quimicamente para melhorar suas propriedades, como eficácia, segurança e capacidade de penetração na pele.

A empresa realizou testes laboratoriais para garantir bom desempenho do ativo no organismo e segurança para uso.

Uma das manchas alvo é o melasma, condição na qual a pele aumenta a produção de melanina para se proteger de inflamações causadas por atores como radiação ultravioleta, alterações hormonais, predisposição genética, poluição e doenças inflamatórias da pele.

Além do Grupo L’Oreal, outras empresas também atuam com produtos que visam clarear manchas, especialmente o melasma. A Isdin, marca espanhola de dermocosmeticos, trabalha com ácido tranexâmico, salicílico, mandélico e fítico para reduzir hiperpigmentações e limitar o surgimento de novas manchas. Esses compostos inibem a tirosinase, enzima que atua na produção de melanina.

Em 2023, a empresa lançou o Sérum Facial Clareador Melaclear Advanced, que tem como clarear manchas em todos os tipos de pele. Estudos patrocinados pela marca afirmaram que o produto pode reduzir manchas visivelmente em três meses.

A dermatologista Carla Albuquerque, membro titular da SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia), afirma que o tratamento de melasma é complexo, e, por isso, é recomendado fazer acompanhamento médico.

“Existem pequenos detalhes e particularidades que podem fazer diferença. Mesmo sendo ativos mais tranquilos, entre aspas, talvez se a pessoa fizer a automedicação ela não vai ter o mesmo resultado do que se fizesse com uma prescrição médica”, diz ela.

Os ativos mais usados, segundo a dermatologista, são o thiamidol, a niacinamida e o ácido tranexâmico, que irritam menos a pele se comparados com tratamentos antigos, como a hidroquinona. Nos casos de melasma resistente, pode haver indicação de ácido tranexâmico oral.

A dermatologista Ligia Novais, especialista pela SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia), afirma que quanto antes iniciado o tratamento para este tipo de mancha, melhor o resultado.

A médica afirma que os ativos indicados para o tratamento “desempenham ação clareadora e oferecem luminosidade à pele”, garantindo que o funcionamento celular seja correto, “impedindo o aumento das manchas e regulando a saúde da região que teve uma maior pigmentação.”

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

Novo ativo promete suavizar manchas como de melasma sem clarear a pele

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.