A família de Arthur Belo, de apenas 1 ano e 10 meses, irá viajar de São Paulo, onde mora, até Curitiba para fazer a aplicação do remédio mais caro do mundo. Após determinação da Justiça Federal de Brasília, o governo federal repassou R$ 8,39 milhões para a compra do medicamento.

O Hospital Pequeno Príncipe é um dos únicos hospitais do país credenciados para realizar a aplicação do medicamento.

Foto: Reprodução

A criança sofre de atrofia muscular espinhal (AME) – doença rara neurodegenerativa que pode ser fatal se não tratada antes dos 2 anos.

Para ler a reportagem completa no portal Metrópoles, parceiro da Banda B, clique aqui.