A vacinação contra a covid-19 começará assim que o primeiro lote da vacina desembarcar em Curitiba.  A secretária de saúde Márcia Huçulak disse que a cidade está preparada logisticamente para o início da imunização, mas sem sem data oficial. “Eu tenho dito que se chegar hoje, amanhã eu começo a vacinar. Nós estamos prontos com toda a logística, tudo organizado. O ministro da saúde deu uma coletiva ontem, mas faltou ele dizer qual é o dia D e qual é a hora H. Precisamos ter a vacina, mas ainda não sabemos quando nem quanto, ainda”, lamenta a secretária de saúde de Curitiba, em entrevista à Banda B, na manhã desta terça-feira (12).

 

Secretária Marcia Huçulak (Foto: Pedro Ribas/SMCS)

 

Huçulak fez referência à declaração dada pelo ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, nesta segunda-feira (11), em visita a Manaus. “Todos os estados receberão simultaneamente as vacinas, no mesmo dia. A vacina vai começar no dia D, na hora H, no Brasil”. A fala gerou repercussão negativa pela ausência de cronograma efetivo de início de vacinação no país.

Conforme já anunciado, os primeiros cidadãos a receber a vacina serão aqueles que trabalham na linha de frente contra o vírus, registrado pela primeira vez em Curitiba no dia 11 de março. “Vamos começar com aquilo que está de acordo com o Plano Nacional de Imunização, com o primeiro grupo a ser vacinado sendo os profissionais da saúde que estão na linha de frente”, confirma.

Atualmente, Curitiba possui 55 mil profissionais da saúde em todos os serviços – unidades de Saúde, UPAS, hospitais públicos e privados. “Na sequência, os demais profissionais de saúde e, então, os idosos acima de 80 anos de idade. E então vamos depender do quantitativo de vacina”, avalia a secretária de saúde Huçulak.

Eficácia

Em meio a polêmica sobre a eficácia da CoronaVac, desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Butantan de São Paulo, a secretária de saúde de Curitiba vê efetividade nos resultados.

“Eu não quero saber sobre a marca, a cor, o tamanho do frasco da vacina. A gente quer uma vacina eficiente e os resultados da Coronavac estão aí, com 78% de eficácia, algo muito bom. Não há dúvidas de que ela é uma boa vacina. Esse vírus será derrotado apenas pela vacina”, diz ela à Banda B.

Para a secretária, a normalidade no convívio entre as pessoas será possível apenas no ano que vem. “Temos mais de doze vacinas no mundo, importante é que tenhamos vacina para podermos seguir com a tranquilidade que só virá mesmo no ano que vem”, acredita.

UPA

Tradicionalmente, o início da semana registra aumento nos atendimentos em Unidades de Pronto-Atendimento (UPA). “Antes mesmo da pandemia, o pessoal se excede no fim de semana com bebida, comida e isso acarreta em indisposições nas segundas-feiras. Mas, por enquanto, não temos observado grandes alterações ainda de demanda nesse sentido. Muitas pessoas estão voltando ainda, comércio fechados ainda. Vamos ver como será o decorrer da semana”, finaliza Huçulak.