Aglomerações na Praia do Rosa, em Imbituba, têm sido comuns durante a pandemia de covid-19. Foto: AFP

 

As imagens de praias do litoral catarinense lotadas no feriado de 12 de outubro contrastam fortemente com as medidas de isolamento para controle da pandemia de covid-19. Em alguns casos, como uma festa na Praia do Rosa, em Imbituba, no litoral Sul de Santa Catarina, tem tanta gente amontoada que encontrar a faixa de areia se torna um desafio. Em Balneário Camboriú, fiscais da prefeitura já interditaram até festa com aglomeração em lancha.

Para especialistas, cenas como essa ajudam a explicar porque o Estado passou a registrar números recordes de covid-19 nos meses seguintes. Foram 648 mortes em novembro, mais do que o dobro de vítimas fatais de outubro. E dezembro já registra 177 óbitos apenas nos primeiros quatro dias.

O número de infectados também é recorde, com média diária acima de 6 mil casos na última semana. O resultado é uma ocupação de leitos de covid-19 em todo o Estado que se aproxima de 90% pela primeira vez desde o começo da pandemia. A saída encontrada pelo governo para frear essa alta nos números de covid-19 foi publicar um decreto na sexta-feira (4/12) estabelecendo um toque de recolher — limitando a circulação de pessoas de madrugada. O decreto também determina que estabelecimentos de atividades não essenciais, como bares, restaurantes e baladas, fechem as portas à meia-noite.

Apesar do decreto ter sido publicado no final da tarde de sexta-feira, o governo já tinha anunciado as medidas dois dias antes. Alguns lugares chegaram a cancelar eventos, mas não é difícil encontrar propaganda de festas em bares badalados de Florianópolis e Balneário Camboriú.

A BBC News Brasil entrevistou frequentadores dessas festas, que explicaram que os estabelecimentos usam a aparência de restaurante ou bar para promover aglomerações maiores, sem distanciamento ou fiscalização do uso de máscara.

Leia na íntegra clicando aqui.