Com o recordes dia após dia e números assustadores divulgados nesta quinta-feira (19), quando foram mais de 1,3 mil novos casos de covid-19 em 24 horas, a Prefeitura de Curitiba decidiu, na manhã desta sexta (20), manter a bandeira amarela pelo menos por enquanto. A informação foi confirmada pelo prefeito de Curitiba, Rafael Greca de Macedo, em entrevista coletiva virtual. Entretanto, uma mudança poderá ocorrer no decorrer da tarde de hoje, quando haverá uma atualização por parte da Secretária Municipal de Saúde.

Marcia Huçulak e Rafael Greca na entrevista coletiva desta sexta-feira – reprodução

A título de comparação, Curitiba tem hoje 8.415 casos ativos da doença, ou seja este é o número de pessoas que potencialmente podem transmitir o vírus. Para se ter uma ideia, o pico anterior tinha sido no dia 26 de julho, quando eram 7992 casos ativos e vivíamos o inverno na capital. Aliado a isso, as UTIs (Unidades de Terapia Intensiva) exclusivas para a doença chegaram à preocupante taxa de ocupação de 87%.

Apesar dos altos números nos últimos dias, Greca afirmou que não gostaria de fechar a cidade.

“A pandemia não acabou. Passamos por momentos de crise grave no mês de julho, vimos os casos se reduzirem, mas o vírus não foi embora. Não há outra explicação para o aumento da pandemia que não o descuido com a obrigação sanitária que é usar máscara, lavar as mãos, passar álcool em gel e não promover eventos ou aglomerações. Não me move a vontade de implantar restrições na cidade. Com inteligência e prudência, o governo pode se unir com a sociedade para que Curitiba fique aberta”, disse o prefeito.

Greca ainda afirmou que leitos de UTI serão reativados. “Nós estamos reativando novos leitos e buscando novos equipamentos. Curitiba tem uma estrutura robusta de saúde e apelo ao Governo do Paraná e as cidades vizinhas para que também tomem medidas semelhantes neste momento, acabando com as cirurgias eletiva por exemplo”, concluiu.

Possível mudança

Questionada sobre uma possível mudança de bandeira, apesar de Greca ter afirmado que não tem intenção de fechar a cidade, Márcia Huçulak deixou a decisão em aberto. “Nós vamos decidir e anunciar isto durante a tarde. Não está descartada a mudança de bandeira”, ponderou.