Por Marina Sequinel e Luiz Henrique de Oliveira

julieta-reisdentro(Foto: Andressa Katriny/CMC)

A vereadora Julieta Reis (DEM) denunciou, nesta segunda-feira (4), um “voto fantasma” na sessão sobre o reajuste dos salários dos servidores na Câmara Municipal de Curitiba (CMC). Segundo ela, durante a votação de uma das emendas, alguém votou no seu lugar, já que ela não estava presente.

“No último dia 31 pela manhã, nós votamos o reajuste e a sessão foi super tumultuada, interrompida várias vezes para que o sindicato e estudantes pudessem falar. Ela foi interrompida para o almoço e eu acabei me atrasando depois, porque havia ido a um evento com pessoas da terceira idade no bairro Campo do Santana. Cheguei na Câmara às 15h”, contou ela em entrevista à Banda B.

De acordo com Julieta Reis, entre as 14h e 14h30, os vereadores votaram a emenda sobre o abono de faltas para os servidores que participaram da greve realizada no ano passado. “Quando eu voltei do almoço, vi que o meu voto tinha sido computado, mas eu não estava lá, então como foi que isso aconteceu? Cada um fica na sua bancada e vota no painel na frente da mesa, não tem senha nem nada”, completou a vereadora.

A emenda, proposta pela Professora Josete (PT), que daria o abono aos servidores, acabou rejeitada com 14 votos contrários e 12 a favor. “Eu já pedi que a Mesa Executiva fizesse um levantamento e não considerasse o ‘meu’ voto. Ele foi favorável, mas eu sou contrária”, concluiu ela.

Na quinta, a Câmara aprovou o projeto do prefeito Gustavo Fruet, que reajusta em 10,36% os salários dos servidores públicos municipais. A matéria foi aprovada com unanimidade com 33 votos, ressalvadas as emendas.

Sobre a denúncia da vereadora, a Banda B entrou em contato com a CMC e aguarda retorno.