O empresário Joel Malucelli se apresentou ao Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), em Curitiba, por volta das 9 horas desta sexta-feira (14). Ele é o último dos acusados com mandado de prisão a se apresentar dentro da Operação Rádio Patrulha, que prendeu o ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB). A informação é que Malucelli estava na Itália. A defesa tentou habeas corpus para derrubar o mandado, mas a Justiça negou.

Empresário paranaense, Joel Malucelli. Foto: Nani Gois/Alep

Ontem, o ex-secretário de Assuntos Estratégicos do Governo do Paraná Edson Casagrande, que era considerado foragido, se entregou.

 

Malucelli, Richa e Casagrande estão entre os 15 investigados na Operação Rádio Patrulha do Ministério Público do Paraná (MP-PR). Na terça-feira (11), foram cumpridos a maioria dos mandados de prisão temporária de busca e apreensão. As medidas visam investigar o programa Patrulha do Campo, do Governo do Estado do Paraná, apurando-se indícios de direcionamento de licitação para beneficiar empresários e pagamento de propina a agentes públicos, além de lavagem de dinheiro e obstrução da Justiça.

Defesas

Em nota, a defesa de Casagrande disse que considera a prisão temporária desnecessária e ilegal, já que desde 2011 ele nunca foi intimado a prestar esclarecimento. “Edson Luiz Casagrande nega a prática de qualquer crime e está à disposição para dirimir todas as falsas acusações que lhe são direcionadas”, informou.

Em nota, Joel Malucelli disse que “as acusações são injustas, que nega qualquer irregularidade e que sempre esteve à disposição das autoridades para esclarecimentos”.  “O empresário desde 2012 se desligou das atividades e rotinas da empresa fundada por ele e se encontra na presente data em férias, fora do país, aguardando orientação de seus advogados, que ainda não foram notificados oficialmente sobre a operação. Fundamental reafirmar que a JMalucelli Equipamentos já se manifestou nesta terça-feira (11) negando, veementemente, a participação em qualquer irregularidade e informou que não firmou qualquer contrato com o Governo do Paraná relacionado às Patrulhas Rurais.”