Mesmo com a mudança de ideia de três vereadores, a Câmara Municipal de Araucária, na região metropolitana de Curitiba, aprovou nesta terça-feira (10), o projeto que reajusta em mais de 60% o salário dos parlamentares a partir de 2021. Em segunda votação, o projeto recebeu seis votos a quatro.

Vereadores Tatiana Nogueira e Elias mudaram de ideia e votaram contra projeto (Reprodução)

Além de Aparecido da Reciclagem (PDT), que já havia se posicionado contra, votaram contrariamente ao projeto os vereadores Elias (PPS), Tatiana Nogueira (PSDB) e Fabio Alceu (PSB). Mantiveram o voto os vereadores Celso Nicácio (PSL), Claudinho do Açougue (PPS), Fabio Pedroso (PRP), Germaninho Krzyzanowski (PR), Lucia de Lima (PMDB) e Xandão (PSL).

Como é presidente da Casa, a vereadora Amanda Nassar (PMN) não votou na sessão.

Durante a discussão, Fabio Pedroso chegou a criticar o vereador Elias pela mudança de posição. “Com todo respeito vereador, vazou um áudio em que ali o senhor pedia para que o aumento do subsídio fosse conquistado. Acredito que falso moralismo e hipocrisia não combinam com essa casa”, disse.

Em resposta, Elias disse que não iria discutir. “Eu entendo a sua indignação, mas todos somos humanos e passíveis de erros. Eu vim para servir o povo, não para ser servido. Esse aumento é um pouco exorbitantes. Como empresário, sei que toda categoria tem seu subsídio e ninguém possui um além de 7%”, explicou.

O projeto aumenta de R$ 5,9 mil para R$ 9.584,45 o subsídio pago aos vereadores a partir da próxima legislatura.

Discussão

Durante a sessão, Aparecido da Reciclagem (PDT) chegou a questionar o percentual do reajuste. “Antes de eu entrar aqui, eu era catador de papel e tinha mês que eu passava com R$ 500, R$ 600. Eu me pus no lugar das pessoas. Aqui no nosso município tem gente passando fome, como na área que eu moro. Qual empresa dá 60% de aumento para seu funcionário? Nenhuma. Quando dá, é 5% e precisa brigar muito”, declarou.

Já Fabio Pedroso foi o único a se posicionar a favor do projeto. Segundo ele, o aumento é justo. “Pela responsabilidade que temos e para que [os vereadores] não caiam em tentação, porque a corrupção está ali para tentar fazer as pessoas caírem em tentação. Eu nunca caí e nem nunca vou cair. Hoje a Câmara não tem veículo para nós fiscalizarmos, não temos combustível e nem décimo terceiro. Não vou ser hipócrita e peço para que a população acredite na gente”, concluiu.

O projeto de autoria das vereadoras Amanda Nassar e Tatiana Nogueira, que pode fazer com que os vereadores passem a receber um salário mínimo não entrou em pauta.