O presidente do Tribunal Regional Eleitoral do Paraná (TRE-PR), desembargador Tito Campos de Paula, confirmou nesta sexta-feira (13) que Piên, na região metropolitana de Curitiba, ganhou uma atenção especial no planejamento de segurança das eleições municipais. O reforço ocorre quatro anos após o prefeito eleito da cidade, Loir Dreveck, ser assassinado na cidade, antes mesmo da posse.

Foto: Prefeitura de Piên

Segundo consta no sistema do Processo Judicial Eletrônico, o pedido de reforço foi feito por uma das chapas e não teve oposição de Ministério Público Eleitoral e do juiz da comarca. Assim, o TRE-PR encaminhou o pedido ao Governo do Estado.

À Banda B, Tito Campos de Paula confirmou o olhar diferenciado para a cidade. “Todos os planejamentos foram tomados em relação à segurança física, que depende da segurança pública, e Piên foi reforçado com toda certeza, assim como outras cidades que necessitam de atendimento especial”, disse.

O comandante geral da Polícia Militar do Paraná, Pericles de Matos, também foi questionado sobre o assunto e confirmou que casos específicos também são atendidos. “O princípio que rege o emprego de uma tropa da PM é o da universalidade, então atendemos toda a sociedade. Os casos específicos já foram tratados pelo TRE, com atendimento especial da Justiça Eleitoral, cabendo à PM intervir nesses casos específicos, que já estão sendo atendidos”, explicou.

Na Justiça

O atual candidato a prefeito na cidade, Gilberto Dranka, é apontado pelo Ministério Público (MP) como o mandate do assassinato de Drevereck. No fim de setembro, o Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR) determinou que ele vá à Júri Popular. Por sua vez, a defesa de Dranka afirma que isso não deve acontecer antes de meados de 2022.