Redação com G1

Governador Beto Richa.- Foto: Ricardo Almeida / ANPr

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) autorizou nesta quarta-feira (14) a abertura de dois inquéritos para investigar o governador do Paraná, Beto Richa (PSDB), e o conselheiro do Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia Mário Negromonte (ex-ministro das Cidades e ex-deputado federal). As duas investigações foram pedidas pelo vice-procurador-geral da República, José Bonifácio Andrada, com base nas delações premiadas de ex-executivos da construtora Odebrecht. Como os inquéritos são sob sigilo, não há detalhes sobre o que será apurado, informa reportagem do G1.

A assessoria de Richa informou que ainda não teve acesso à decisão e ainda não iria se manifestar. A assessoria de Mário Negromonte não se manifestou até o momento.

No dia 19 de maio, a divulgação dos depoimentos da JBS pelo STF colocou Richa no rol de políticos supostamente beneficiados pela empresa. À Procuradoria-Geral da República (PGR), um dos executivos da gigante do setor de alimentos afirmou ter entregue R$ 1 milhão em espécie a Pepe Richa, irmão do tucano e atual secretário de Estado de Infraestrutura e Logística. O PSDB nega ter recebido qualquer doação ilegal na campanha de reeleição de Richa, em 2014.

Outro inquérito

Mais cedo, nesta quarta, o vice-procurador-geral da República, José Bonifácio Andrada, pediu ao STJ a abertura de inquérito para investigar o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), também com base nas delações da Odebrecht.

Em nota, a defesa de Perillo disse que o pedido, baseado em delação, causa “perplexidade”. Afirmou, ainda, que o governador não tem “nenhuma preocupação” com o que foi dito por delatores.