Em greve há exatas duas semanas, os servidores estaduais decidiram ocupar a Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), na tarde desta terça-feira (9), e devem continuar a ocupação até receberem uma nova proposta do governo estadual. De acordo com as categorias, a decisão pelo movimento se deu após uma fala do deputado Ricardo Arruda (PSL), que foi considerada desrespeitosa pelo funcionalismo.

O secretário de comunicação da APP-Sindicato, Luiz Fernando Rodrigues, afirmou que são cerca de 600 servidores nas galerias. “O deputado ofendeu os servidores e foi decidido pela ocupação. Se o clima já era tenso, ficou ainda mais. Além das galerias, as rampas estão todas tomadas pelos servidores”, disse.

Com a ocupação, os servidores esperam receber uma nova proposta para liberar a Alep. Segundo Rodrigues, toda a situação foi muito pacífica.

De acordo com Nádia Brixner, que integra a direção da APP-Sindicato, sem uma proposta efetiva do Governo do Estado, os servidores irão passar a noite na casa legislativa. “Sem proposta. podemos passar a noite na Assembleia e aqui no acampamento da data-base. Sabemos que um grupo de deputados está conversando com o Fórum dos Servidores e dirigentes da APP-Sindicato, além dos deputados Hussein Bakri e Tiago Amaral, líder e vice-líder do governo, que estão no Palácio Iguaçu tentando uma proposta efetiva para que nós todos possamos voltar para as nossas casas”, contou Brixner que disse ter sido uma afronta a toda a categoria a fala do deputado Ricardo Arruda.

“Infelizmente, mais uma vez o deputado Missionário Arruda afronta toda a nossa categoria. Ele nos desrespeitou dizendo que nós estamos mentindo, que estaríamos apresentando números falsos e que todos nós tivemos aumentos salarias em 33%. Isso é uma grande mentira”, disse ela.

O professor Edinei França, 38 anos, que veio da cidade de Capanema para acompanhar a sessão, também ficou indignado com as acusações do deputado do PSL. “O deputado pediu para gente mostrar nossos holerites e aí o pessoal ficou revoltado com ele. Não tenho nem palavras para mostrar minha indignação, uma pessoa que foi eleita para nos representar tratar todos com tanto descaso. Ele foi muito infeliz”, afirmou França que não tem horário para deixar a Assembleia.

A Polícia Militar acompanha toda a movimentação dos servidores.

Mobilização

Os servidores protestam no Centro Cívico desde o começo da manhã. Eles rejeitaram a proposta de 5,09% em quatro parcelas até 2022 e se organizam em novo protesto. No começo desta manhã, caravanas do interior, com professores, funcionários de escolas e servidores se concentraram na Praça 19 de Dezembro e seguiram em caminhada até a Praça Nossa Senhora da Salete, em frente ao Palácio Iguaçu.

Ontem, o Governo do Paraná acenou para uma nova proposta aos servidores estaduais. Em pronunciamento na tribuna da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep), o líder do governo Hussein Bakri (PSD) disse que uma contraproposta do Fórum das Entidades Sindicais (FES) foi recebida e prevê um parcelamento no reajuste, mas com a primeira reposição de 2% acontecendo em janeiro. Os servidores, porém, pedem para que ela aconteça ainda em outubro deste ano.