Em protesto contra a Reforma Estadual da Previdência, servidores do Poder Executivo ocuparam a Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) durante a tarde desta terça-feira (3). Os manifestantes, que estavam reunidos desde a manhã no Centro Cívico, romperam o cordão de isolamento realizado pela Polícia Militar (PM) e passaram a protestar nas galerias do plenário. Ainda durante a tarde, os manifestantes se reuniram no local e decidiram passar a noite acampados dentro do prédio.

Presidente da APP-Sindicato, que é a maior entidade trabalhista do Paraná, Hermes Leão afirmou que o motivo do protesto foi a “total” ausência do governador Ratinho Junior nas discussões. “Ao mesmo tempo que eles se recusam a conversar, os deputados descaradamente aprovam regime de urgência. É uma violência com a democracia e precisamos responder com muita luta” , afirmou.

Durante a manifestação, o clima ficou bastante tenso nas dependências da Alep. O Batalhão de Choque da PM chegou a fechar um dos acessos ao plenário para evitar que os servidores chegassem à mesa diretora. Spray de pimenta chegou a ser utilizado para dispersar os manifestantes.

O presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Márcio Kieller, criticou a pressa com que os deputados decidiram votar o projeto. “Ainda está em Brasília a discussão da PEC (Proposta de Emenda à Constituição) paralela, que pode impactar a Previdência nos estados e municípios. Então, isso pode ter mudanças com a aprovação por lá. Essa intempestividade do governador Ratinho Junior de não deixar o projeto ser votado em ano eleitoral pode acabar sendo um tiro no pé. A luta é por uma aposentadoria digna”, disse.

Dentro da Assembleia, portas foram quebradas durante a manifestação.

Com o protesto, a sessão foi suspensa, mas as categorias ainda esperam que o projeto seja retirado de pauta.B

Balanço PM

Segundo a Polícia Militar, quatro pessoas foram detidas por invasão. Elas foram liberadas após assinatura de um termo circunstanciado.

Um policial sofreu ferimentos leves e foi atendido no local.

Governo do Paraná

Segundo o Governo do Paraná, a nova previdência do servidor público do Paraná segue “rigorosamente” a legislação aprovada no Congresso Nacional, após ampla discussão com os mais diversos setores da sociedade. “Não se trata, portanto, de uma decisão casuística e sim de cumprir a obrigação de atualizar o marco legal dos regimes próprios de previdência dos Estados, adotando o novo preceito constitucional brasileiro. No Paraná, a medida contribui para estancar o crescimento do deficit já existente para o pagamento de aposentadorias e pensões. Neste ano, a insuficiência financeira do sistema será de R$ 6,3 bilhões. O valor é superior ao orçamento do Estado para a área de saúde”, afirma o Estado.

*Com informações de Denise Mello e Marcelo Borges