O senador Randolfe Rodrigues apresentou à Procuradoria-Geral da República uma representação pedindo investigação da conduta do presidente Jair Bolsonaro e do escritor Olavo de Carvalho após a série de postagens que o ‘guru do bolsonarismo’ fez na madrugada deste domingo, 7, criticando o presidente – escrevendo até que pode derrubar o governo. Na representação enviada à PGR, Randolfe diz que os fatos ‘estranham tanto quanto surpreendem’.

Segundo o parlamentar, as falas de Olavo levantam a possibilidade de ocorrência imediata de vários crimes, como extorsão, prevaricação, lavagem de dinheiro, calúnia e difamação contra o Presidente, ‘bem como mediata de inúmeros outros, como, por exemplo, corrupção’.

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Em vídeo, Olavo afirmou que Bolsonaro não faz nada para defendê-lo de uma suposta milícia digital, que o presidente não é seu amigo e que ainda pode ser processado por prevaricação, já que presencia crimes e não faz nada. Em seguida, ainda escreveu que pode derrubar o governo Bolsonaro e pergunta: “Os militares obedecem você ou é você que obedece a eles?”

“Quer levar um processo de prevaricação da minha parte? Se esse pessoal não consegue derrubar o seu governo, eu derrubo. Continue inativo, continue covarde e eu derrubo essa mer.. desse seu governo, aconselhado por generais covardes ou vendidos”, ameaçou.

Nas publicações, Olavo ainda reclama que Bolsonaro não coloca seus assessores para defendê-lo de processos e multas que estaria respondendo na Justiça, sem dar detalhes sobre os casos. Depois do apelo, o empresário Luciano Hang, dono da rede de lojas Havan, decidiu apelar a um grupo de empresários para financiar Olavo. Por meio de um grupo de WhatsApp, Hang disse aos amigos que Olavo está sem dinheiro e que precisa de apoio financeiro para que continue “lutando pelo Brasil”.

Com base nas declarações do ‘guru bolsonarista’ Randolfe fez uma série de questionamentos na representação à PGR: “O que Olavo de Carvalho sabe que poderia derrubar Jair Bolsonaro? Que crimes foram cometidos com a ciência de Jair Bolsonaro? Por que arrecadar dinheiro para quem lhe xinga? Por que um empresário precisaria de aval do Presidente da República para fazer o que parece ser uma doação? Há dinheiro público envolvido?”. Segundo o senador, as questões precisam ser respondidas com urgência.