Por Felipe Ribeiro

Os ânimos exaltados pelo atual cenário político do país terminaram em ameaça de morte contra um conhecido professor de história de Curitiba. Em entrevista à Banda B nesta quarta-feira (9), Renato Mocellin contou que estava dentro de uma agência bancária na última segunda-feira (7), quando um discurso da presidente Dilma Rousseff na televisão causou comentários exacerbados dos clientes contra o governo federal e até um pedido de morte contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

mocellinReprodução

“Eu estava tentando explicar que o governo tem problemas, mas que a corrupção não é uma invenção deste governo. Nisso, essa pessoa disse que o Lula teria que morrer, mas por uma questão moral acredito que não podemos incitar a morte de ninguém, não é uma questão política. As diferenças são normais numa democracia”, disse.

Admitindo que também acabou se exaltando durante a discussão devido aos xingamentos, Mocelin contou que foi necessária a intervenção dos seguranças do banco, mas que acreditou que tudo tinha se encerrado por ali.

No dia seguinte, porém, o professor chegava para as suas aulas quando encontrou um recado do agressor querendo “resolver pendências” com ele. “Não sou filiado a nenhum partido político, tenho críticas ao governo e acho que quem comete erros tem de pagar”, relatou.

A partir da ameaça, Mocellin registrou um boletim de ocorrência. Ele não conhece o agressor e o caso já está sob investigação da Polícia Civil.

“Atletiba”

Para Mocellin, todo brasileiro tem o direito de defender as suas convicções, mas o que ele percebe é um sentimento de Atletiba. “O que eu me preocupo é com essa exacerbação, é uma pena e isso não vai ser bom para o Brasil. Parece você ser torcedor do Atlético e não poder passar perto do Couto Pereira, pessoas que brigam sem saber direito o que está acontecendo”, concluiu.