Indiara Barbosa (Novo), eleita a vereadora com mais votos em Curitiba, contou à Banda B nesta terça-feira (24), que se sentiu muito mal com vídeo postado pelo canal Porta dos Fundos, no domingo (22). O grupo retirou do YouTube e das redes sociais o vídeo, após ser acusado de machismo por satirizar uma vereadora de Curitiba eleita pelo Partido Novo.

A personagem do vídeo Yollanda foi relacionada com a vereadora Indiara, eleita nas últimas eleições municipais com 12.147 votos, a primeira mulher a ser líder em votos para a Câmara Municipal de Curitiba. No vídeo, a personagem diz que “vazou nudes” e “participou de orgias” para vencer a eleição.

Personagem Yollanda, usada no vídeo polêmico da Porta dos Fundos – reprodução

Em entrevista à Banda B, Indiara contou que recebeu com surpresa o vídeo e não estava entendo o que estava acontecendo. “Fiquei meio confusa, né, porque eu falei, nossa, está falando mim, pois eu sou a mais votada, sou do Novo, mas, ao mesmo tempo, é uma história que não tem nada a ver com a minha, não faz o menor sentido. Parece uma sátira, estão criticando o partido Novo, a sociedade curitibana, mas estão falando do mim, né. Então, fiquei meio confusa”, disse.

Para a vereadora, o esquete fez com que uma margem para questionamento sobre a candidatura dela fosse aberta. “A gente entendeu como uma sátira, mas quando a gente vai ver melhor, vemos comentário de várias pessoas questionando se é verdade”, contou Indiara. “Eu me senti mal, pois é um canal de repercussão nacional, com muitos seguidores e que muita gente não me conhece e ver aquilo ali acredita em Curitiba aconteceu esta situação”, complementou.

Indiara Barbosa (Novo) foi vereadora mais votada em Curitiba. Foto: Facebook Indiara Barbosa/Divulgação

Para Indiara Barbosa, o vídeo representa sim o machismo. “Fui eleita a mais votada, não sou uma pessoa conhecida, sou do partido Novo que representa ideias novas na política e a princípio incomoda muita gente. Aí, tentaram fazer uma crítica ao partido, pois o Novo é visto como um partido de elite (…). Acaba sendo uma espécie de machismo, pois quando uma mulher chega em uma posição como essa, aí já partem para ataques mais baixos.

Porta dos Fundos

Em nota lançada no Twitter, a produtora do Porta dos Fundos diz que reconhecemos que o vídeo não condiz com o que acredita e, por isso, optou por tirá-lo dos canais. Disse também que a personagem já existe há nove anos – uma senhora que preza pela sua liberdade sexual – e é totalmente fictícia. Complementou que em nenhum momento tentou parodiar ou fazer graça com qualquer pessoa real.