O governador João Doria (PSDB) pediu nesta segunda-feira (30) para que a população não siga as recomendações do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e a equipe médica do governo indicou que não devem ser necessárias medidas de restrição mais extremas como lockdown para conter o coronavírus.

A afirmação do tucano foi feita após o presidente estimular que a população vá para as ruas trabalhar.

“Quero voltar a afirmar: escutem e atendam as recomendações médicas, não em informações colocadas nas redes sociais. Ou lamento dizer, mas, neste caso, por favor, não sigam as orientações do presidente da República do Brasil. Ele não orienta corretamente a população e lamentavelmente não lidera o Brasil no combate ao coronavírus”, disse Doria, que lançou campanha publicitária pedindo para que a população acredite nos dados técnicos.

A peça publicitária do governo estadual diz para que a população leve em conta dados da OMS (Organização Mundial da Saúde), que recomenda que se fique em casa. Além disso, o vídeo aponta que presidentes europeus e até o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que mudou de ideia, pedem isolamento.

O comercial também rebate o argumento de que ficar em casa afeta a economia. “A economia a gente trabalha e recupera. A vida de quem a gente ama não dá para recuperar. Fique em casa”, diz a campanha.

 

(Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil)

 

As orientações técnicas do Ministério da Saúde, por outro lado, permanecerão sendo levadas em conta pelo governo estadual, segundo Doria.

Doria vem fazendo entrevistas coletivas diárias, nas quais tem buscado se diferenciar do presidente Jair Bolsonaro, que minimiza a crise do coronavírus.

Na sexta (27), o tucano insinuou que Bolsonaro também pode ser responsabilizado por mortes causadas pelo coronavírus após fazer campanha que incentiva população a romper o isolamento.

Na semana passada, o governo citou a possibilidade de “lockdown”, com restrição da circulação por meio da polícia. Agora, Doria afirma que não anuncia cenários futuros e que a possibilidade só será avaliada se necessário.

Segundo o secretário da Saúde, José Henrique Germann, a situação não deve chegar a esse ponto. “Pelos casos iniciais que temos eu diria que não vamos ter a necessidade de repetir o isolamento social muitas vezes mais e nem fazer um isolamento compulsório tipo lockdown”, disse.

O governador anunciou o início de medidas de restrição a partir do dia 23 de março. Atualmente, bares, restaurantes, lojas, academias de ginástica, entre outros, estão proibidos de abrir no estado. A medida vai até 7 de abril, mas pode ser renovada.

Paralelamente, o tucano tem anunciado uma série de medidas para compensar o impacto econômico das medidas.

Nesta segunda, ele anunciou que as 59 unidades do Bom Prato passarão a servir as três refeições, ampliando o fornecimento para jantar, finais de semana e feriados -almoço e jantar por R$ 1 e café da manhã por R$ 0,50. A comida é dada na área externa das unidades, em embalagens descartáveis, com objetivo de evitar o contágio.

O governador também anunciou que empresários doaram quase R$ 100 milhões em equipamentos médicos e dinheiro para combater o coronavírus e que os deputados e senadores concordaram em enviar R$ 219 milhões em emendas para a luta contra a doença.

Ainda nesta segunda, o prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), também anunciou a sanção de um pacote anticoronavírus, que permite aumento de gastos e desvincula fundos para combate à doença na capital paulista.

A lei foi aprovada na sexta-feira (27), com jabutis (emendas de assuntos diversos) como um que tira poder da CGM (Controladoria Geral do Município).

Entre as medidas incluídas contra a doença e seus efeitos, estão o pagamento de terceirizados mesmo sem prestação de serviços, com objetivo de evitar demissões em massa. A gestão Covas pagará R$ 375 milhões mensais para as empresas terceirizadas e concessionárias de ônibus -a estimativa é que a medida garantirá a manutenção de 108 mil empregos.

Covas também poderá usar verba de 11 fundos municipais, inclusive o bilionário Fundurb (Fundo de Desenvolvimento Urbano). Atualmente, há R$ 1 bilhão em caixa apenas neste fundo.

A gestão tucana afirma já ter estabelecido ao menos R$ 1,1 bilhão para gastos em saúde focados no coronavírus. Somente os dois hospitais de campanha, no Anhembi e Pacembu, com mais de 2 mil leitos, custarão R$ 50 milhões, entre construção e custeio.

EXAMES
O governo afirmou nesta segunda-feira que o estado de São Paulo hoje tem uma fila de 12 mil exames para detectar coronavírus.
Segundo o governo, deste total, apenas 500 são de pessoas em situação grave. Atualmente, o estado tem registrados 1.517 casos de coronavírus e 113 mortes.

“Eu queria destacar que, dos 12 mil exames, 50 pacientes internados e o restante são casos leves. Significa que entre os casos graves a possibilidade de positivo vai ser muito alta e entre os casos leves a possibilidade é bem menor. Então, provavelmente não teremos um aumento significativo no número de casos [por causa da fila]”, disse o secretário da Saúde, José Henrique Germann.

O secretário afirma que o estado hoje tem capacidade para realizar 1.000 testes por dia. A partir do dia 2, a capacidade de processamento será de três mil exames por dia. Do dia 10 de abril em diante, esse número subirá para 8 mil.

Ainda segundo o governo, estudos do Instituto Butantan mostram que as medidas restritivas no estado diminuíram a contaminação. Antes da quarentena, segundo o governo, a velocidade de transmissão de casos era de uma pessoa para seis. Isso exigiria mais 20 mil leitos à rede pública da capital paulista, sendo 14 mil hospitalares e 6 mil de UTI.

Agora, segundo o instituto, a velocidade de transmissão a uma pessoa para duas, e a rede existente é suficiente. A cidade de São Paulo possui cerca de 6 mil leitos hospitalares e outros mil de UTI.