O apresentador José Luiz Datena se filiou ao PSDB, na manhã desta quinta-feira (4), em um evento que teve a presença da pré-candidata a prefeita Tabata Amaral (PSB), e disse que o movimento se trata “tão somente de coligação partidária”, indicando que será vice na chapa da deputada.

datena
Reprodução: Instagram

Ao mesmo tempo, emendou que “o futuro a Deus pertence”. Ele entra em sua 11ª legenda, numa troca amigável do PSB para o PSDB, e já desistiu de concorrer na última hora em quatro eleições.

Já o PSDB, por sua vez, passou a mensagem de que a candidatura própria à prefeitura não está descartada —risco que o PSB topou assumir. O PSDB também é cortejado por Kim Kataguiri (União Brasil) que ofereceu a vice ao partido e pelo prefeito Ricardo Nunes (MDB), que pretende insistir na aliança com a sigla, apesar de a direção municipal tucana ter descartado essa possibilidade.

A decisão final ficará para julho, época das convenções partidárias. Já o prazo de filiação se encerra no sábado (6), o que levou a essa costura de última hora.

Na prática, como mostrou a Folha de S.Paulo, boa parte da militância do PSDB vai acabar fazendo campanha para Nunes, por estarem abrigados na máquina municipal e por verem nele a continuação de Bruno Covas (PSDB).

“O Datena agora tem condições de disputar o que for importante para que a gente alcance a vitória”, afirmou o presidente municipal do PSDB, o ex-senador José Aníbal.

Ao responder à imprensa, Datena e Aníbal evitaram ser categóricos sobre o futuro do apresentador. Questionado sobre ser candidato a prefeito ou a vice, Datena não descartou nenhuma das possibilidades e disse que tudo depende do acerto entre os partidos.

“O que vai acontecer vai acontecer. O futuro a Deus pertence. A minha vontade é estar do lado da Tabata”, disse.

Datena havia se filiado ao PSB em dezembro para ser vice na chapa da deputada, que agora tem a perspectiva de trocar a chapa pura por uma coligação, o que agrega recursos e tempo de propaganda na TV.

Tabata marcou 8% no último Datafolha, atrás de Guilherme Boulos (PSOL), com 30%, e Nunes, com 29%.

Em seu discurso, ela também enfatizou a realização da coligação. “O PSB abre mão de um dos seus maiores quadros, mas faz isso com o coração tranquilo. […] A gente sabe que esse é um movimento coletivo, e é só por isso que a gente deixou.”

Tabata afirmou reconhecer o que o PSDB fez por São Paulo nos últimos anos. “Reconheço a trajetória, o tamanho e os quadros do PSDB. Que a gente esteja sempre junto, sempre dialogando, em prol não de cargo e conchavo, mas em prol de uma cidade.”

Em 2020, no segundo turno entre Covas e Boulos, Tabata declarou apoio ao candidato do PSOL e disse não concordar com o que Nunes, o vice do tucano na época, representava.

O acerto PSB-PSDB em São Paulo tem como efeito colateral a insatisfação da governadora Raquel Lyra (PSDB-PE), que ameaça deixar o partido. Ela enfrenta em seu estado justamente a oposição do PSB de João Campos, prefeito do Recife e namorado de Tabata.

A respeito disso, Aníbal afirmou que as duas questões não têm ligação e que é precipitação imaginar que Raquel se sentiria desprestigiada.

O evento de filiação desta quinta foi esvaziado do ponto de vista de líderes tucanos —o presidente nacional Marconi Perillo e o presidente estadual Paulo Serra não estiveram presentes. Perillo enviou uma mensagem de boas vindas a Datena e disse que não pôde comparecer em função de entrevistas na TV.

Já figuras do PSB, como o deputado estadual Caio França, foram ao ato. Também estava presente o ex-secretário municipal e ex-presidente do PSDB na capital Orlando Faria, que migrou para a pré-campanha de Tabata.

Aníbal, em sua fala, não deu destaque à pré-candidatura de Tabata e disse que ela estava no evento como “amiga de Datena”. Ele destacou que a filiação dá protagonismo ao PSDB e condenou a polarização, numa referência à disputa entre Nunes, apoiado por Jair Bolsonaro (PL), e Boulos (PSOL), cujo padrinho é Lula (PT).

“Datena mostrou que tem um grande compromisso com São Paulo e que a polarização que está aí não é produtiva. […] É preciso que haja uma oxigenação do cenário político brasileiro. […] Nós queremos com essa filiação dar um impulso forte no PSDB, compatível com a politica atual do PSDB de recuperação.”

Em seu discurso, Datena disse que sua entrada no PSDB era um movimento que já vinha sendo estudado com Tabata, a quem fez uma série de elogios. Ele também exaltou Mário Covas (PSDB), Geraldo Alckmin (PSB) e, sobretudo, Covas. Por outro lado, fez uma série de críticas a Nunes e à corrupção na política.

“Por casa da polarização, por causa dos extremos, estivemos perto de um golpe no 8 de janeiro, que quase leva esse país ao obscurantismo da ditadura. Eu odeio extrema direita, fascismo. […] Odeio a extrema esquerda. […] Nossa ideologia tem que ser uma só: o povo brasileiro”, disse Datena, que flertou com Bolsonaro e com Lula em sua carreira. Ele reforçou que não apoiou nenhum dos dois em 2022.

Questionado sobre considerar Boulos extrema esquerda, Datena disse “ele é esquerda para caramba, só não sei se extrema”. E emendou: “Eu gosto do Boulos”. Antes de acertar com Tabata, Datena foi cogitou a vice na chapa do PSOL.

Tucanos que apoiam Nunes afirmam que, ao fechar com Tabata, o PSDB, na verdade, vai acabar endossando Boulos, pois ela entraria no palanque do PSOL no segundo turno.

Questionado sobre essa possibilidade, Aníbal disse que a imprensa “tem enorme dificuldade de entender que existe alternativa aos dois candidatos” e que o PSDB quer “dar força ao centro democrático”.

Comunicar erro

Comunique a redação sobre erros de português, de informação ou técnicos encontrados nesta página.

‘O futuro a Deus pertence’, diz Datena ao se filiar ao PSDB, seu 11º partido

OBS: o título e link da página são enviados diretamente para a nossa equipe.