Ainda sem saber se poderá contar com o subsídio do Governo do Paraná ao transporte coletivo de Curitiba, o prefeito Rafael Greca esteve na Câmara Municipal para o início dos trabalhos de 2019 com o mesmo discurso que tem adotado até sobre o reajuste da tarifa: o aumento será o menor reajuste possível. Greca voltou a dizer que o aumento é inevitável, mas não apontou para nenhum índice.

O que se sabe é que a data-base de motoristas e cobradores é agora em fevereiro e que o sistema precisa de uma resposta do governador Ratinho Junior sobre a manutenção ou não do subsídio. No ano passado o então governador Beto Richa autorizou o repasse de R$ 71 milhões para o sistema.

“Estamos trabalhando para que a tarifa suba o menos possível depois de dois anos congelada”, disse Greca hoje na Câmara.

(Foto: CMC)

O prefeito também fez um balanço dos dois anos de gestão e anunciou avanços nas áreas do transporte, ciclomobilidade, saúde, meio ambiente e atendimento à população.

O prefeito destacou os bons resultados do Plano de Recuperação de Curitiba, aprovado com o apoio da Câmara Municipal, então sob o comando do vereador Serginho do Posto. Também parabenizou a nova mesa diretora da Casa, que tem na presidência o vereador Sabino Picolo. “Temos certeza da mesma identidade de propósitos com esta nova mesa diretora, liderada pela experiência do vereador Sabino Picolo”, disse Greca.

Sabino Picolo é o novo presidente da CMC – Foto: CMC

Novo presidente

O novo presidente da Câmara Municipal de Curitiba (CMC), Sabino Picolo (DEM), apresentou algumas propostas para sua gestão e disse que assumiu a presidência da Câmara com o propósito de ser o “presidente dos 38 vereadores”. “Isso se comprova na composição da Mesa Diretora que conta com representantes do MDB, de filiados a Ratinho Júnior e [da base] do prefeito Greca. Curitiba está amplamente representada nessa Mesa”, afirmou Picolo, desejando “força e sabedoria” ao governador eleito Ratinho Júnior “para conduzir o estado que ainda possui regiões desassistidas”.

O presidente da CMC afirmou que seria interessante o prefeito estender o projeto Rosto da Cidade, que busca resgatar o Centro da cidade como área para moradia, turismo e lazer e o fortalecimento do comércio e de serviços, até a Estação Ferroviária. “Curitiba não merece o que está aí”, disse o vereador referindo-se às pichações. Outra questão apontada por Sabino foi a necessidade da construção de um novo prédio para as instalações da Câmara Municipal. De acordo com ele, o secretário de governo disse que até abril desse ano o assunto será estudado. “Não vai ser gasto um real da Saúde, da Educação ou de outras áreas. O dinheiro será das economias que a Câmara fará”, garantiu Sabino Picolo.

Novos vereadores

Durante a sessão inaugural, Jonny Stica (PDT) e Herivelto Oliveira (PPS) prestaram seus juramentos como vereadores eleitos por Curitiba. Primeiro-suplente da coligação PDT-PRB, Stica está no seu terceiro mandato como vereador e substitui Goura, que assumiu uma cadeira na Assembleia Legislativa. Oliveira está em seu primeiro mandato e substitui Helio Wirbiski, nomeado diretor-presidente do Instituto Paranaense de Ciência do Esporte do governo do Estado. Stica assumiu o cargo no dia 31 de janeiro e Herivelto, no dia 16.

Em entrevista à imprensa, Herivelto Oliveira declarou que em princípio não vai se ligar a algum bloco. “O momento é de entender o funcionamento da Casa”, disse o novo vereador. Ele também declarou que pretende manter as plataformas defendidas em sua campanha de 2016, como a defesa dos moradores de rua. No entendimento de Herivelto, a Câmara deve ser um fórum de debates de assuntos atuais e relevantes para a população.

Jonny Stica também concedeu entrevista a jornalistas. Ele disse que volta com humildade para o mandato (que é do povo). “Vamos votar sempre de acordo com o interesse da população, independente de posicionamentos da base ou da oposição”, esclareceu.