O Ministério Público do Paraná (MP-PR) cumpriu, nesta segunda-feira (9), três mandados de busca e apreensão em endereços ligados ao vereador Professor Abelino (PSB), em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba. De acordo com informações divulgadas pela 2ª Promotoria de Justiça do município nesta segunda-feira (9), ele é réu em ação por improbidade administrativa.

Foto: Divulgação

As ordens judiciais foram cumpridas na residência do vereador, em seu gabinete na Câmara Municipal e num escritório político.

Segundo o MP-PR, foram apreendidos diversos materiais e documentos nos locais visitados, que auxiliarão na investigação de eventuais delitos cometidos pelo vereador. A decisão judicial que autorizou a busca e apreensão determinou ainda o pagamento de multa de R$ 50 mil pelo agente político, por descumprimento de liminar anterior que o havia proibido de promover ações assistencialistas com objetivo de autopromoção vedada pela Constituição Federal.

Bloqueio

De acordo com a ação do MP-PR, o vereador teria cometido atos lesivos à Administração Pública, “com a contratação de funcionários fantasmas e o emprego de assessores parlamentares em práticas assistencialistas de nítido cunho eleitoreiro e evidente desvio de função”. Três assessores considerados “fantasmas” também são réus no mesmo processo, que já levou ao bloqueio liminar de bens do vereador no valor de R$ 992.321,74. Os demais réus também tiveram os bens indisponibilizados judicialmente em valores que variam de R$ 248.919,00 a R$ 402.600.90.

Outro lado

Em live publicada na rede social Facebook, Abelino se defendeu e disse que o MP-PR buscava material alusivo a sua campanha eleitoral. “Vieram verificar se estou usando slogan, bichinhos de pelúcia e cores que remetam ao meu mandato e ao meu nome. (…) Ao final da visita, foi comentado comigo que buscavam saber se algum assessor estaria com camiseta e símbolo da abelha, mas saíram sem nenhum registro. Há uma denúncia de que nosso gabinete estaria usando esse slogan e uniformes, mas isso não procede”, afirmou.