O Ministério da Saúde confirmou nesta sexta-feira (13) que tem indícios de que a pasta foi alvo de ataque cibernético, a exemplo do que ocorreu no STJ (Superior Tribunal de Justiça). O ataque teria causado falhas no sistema de acompanhamento dos casos da Covid-19.

Desde o início do mês, quando o ataque no STJ veio à tona, havia relatos de possível ataque também no Ministério da Saúde. A pasta, no entanto, só confirmou o caso oficialmente nesta sexta.

O governo Jair Bolsonaro garante que todos os sistemas já foram restabelecidos, mas ainda pode haver intermitência, já que o departamento de informática do SUS (Sistema Único de Saúde) continua trabalhando nos dispositivos de segurança.

“Não houve comprometimento, sequestro ou vazamento de informações”, afirmou o secretário-executivo do ministério, Elcio Franco, em pronunciamento. Segundo ele, a situação deve ser normalizada a partir de segunda-feira (16).

Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Elcio Franco disse que o governo não confirmou o caso antes por precaução, para preservar as provas e garantir a segurança de dados. Apesar dos indícios, ainda não há um laudo conclusivo sobre o ataque.

“A dificuldade de acesso à rede nos últimos dias enfrentada por alguns estados e a inviabilidade de coletivas de imprensa semanal se deu em razão do bloqueio da base de dados, realizado para preservar as informações do ministério”, disse Franco. O boletim epidemiológico semanal também não foi divulgado.

O STJ confirmou ter sido alvo de invasão hacker na primeira semana de novembro. Processos digitalizados, emails e outros sistemas internos foram afetados.

No período, os dados sobre a Covid-19 continuaram a ser encaminhados pelo Ministério da Saúde mas com base nas atualizações possíveis e com observações sobre isso, de acordo com Franco.

“Desde o inicio da ocorrência, todas as medidas necessárias para preservar a integridade de sistemas, servidores e dados do Ministério da Saúde foram tomadas”, diz. “Reitero aqui o compromisso do Ministério da Saúde com a verdade e transparência em todos os processos.”

No início do mês, servidores da pasta relataram dificuldades para acessar os sistemas internos e a suspeita de ataque hacker. O Ministério da Saúde, no entanto, havia negado que se tratava de um ataque. Na ocasião, a pasta informou que identificara “a existência de vírus em algumas estações de trabalho” e que, por motivos de segurança, houve bloqueios para evitar a propagação desse vírus.

Ainda em nota, a pasta disse que a ocorrência “foi limitada a algumas estações de trabalho e, portanto, não comprometeu os servidores da infraestrutura do ministério”.