Ele é médico oftalmologista, empresário e, de longe, o candidato à prefeitura de Curitiba com maior patrimônio declarado à Justiça Eleitoral: R$ 13 milhões. Candidato do Novo à prefeitura de Curitiba, João Guilherme, diz que não aguenta mais os políticos profissionais e quer uma chance de fazer tudo diferente.

“Precisamos mudar a maneira de fazer política neste país. Dia após dia temos escândalos por pessoas que não nos representam mais. Por isso que chegamos a caos como o do senador com dinheiro na cueca, que parece virar algo comum e motivo de piada. Não podemos continuar aceitando isso. Por isso sou candidato com credibilidade e ficha limpa, único perfil aceito pelo Partido Novo”, disse João Guilherme em entrevista à Banda B nesta terça-feira (20).

Como médico, o candidato do Novo fez questão de ressaltar, em entrevista ao apresentador Paulo Sérgio Débski, que o atual prefeito Rafael Greca (DEM), candidato à reeleição, errou na condução da pandemia em Curitiba, que já soma mais de 1,4 mil mortos.

Paulo Débski e João Guilherme na Banda B

“É importante lembrar que mais de 1,4 mil pessoas morreram na cidade pela Covid-19, inclusive Mauro Fressato, motorista particular que tinha convívio familiar com o atual prefeito. É um prefeito insensível que não adotou medidas para se evitar estas mortes e sequer admitiu o erro por falta de humildade (…) ele errou sim e no começo da pandemia disse que não ia ter Covid na cidade. Errou muito pela falta de ação”.

O candidato do Novo disse ainda que pretende manter manter e ampliar a estrutura de leitos de UTI na cidade até em função do aumento da demanda pós-pandemia. “Sempre faltou vaga de UTI em Curitiba e com a pandemia isso veio à tona. Agora, com esta ampliação, vamos manter e aproveitar esta estrutura para atender a um gargalo pós-covid. Muitas pessoas não estão fazendo consultas médicas e teremos que fazer mutirões para atender esta demanda”.

Burocracia

João Guilherme ressalta que, como empresário, sabe as dificuldades do empresariado com uma “burocracia enorme que a prefeitura impõe e que não deixa a economia girar”. Ele garante que vai mudar isso.

Falou também que tem planos para melhorar a mobilidade urbana. “Vimos o péssimo exemplo de ônibus lotados na pandemia e uma prefeitura que preferiu aplicar R$ 200 milhões nos empresários do transporte enquanto os empresários da cidade estavam fechando as portas sem nenhuma ajuda”.

Educação

Na educação João Guilherme quer implantar aulas de inglês nos contraturnos e valorizar os professores. “Queremos professores valorizados. teremos uma demanda enorme da escola privada para a pública pós-pandemia e os professores são fundamentais neste processo. Eles perderam o protagonismo”.

O candidato ressalta que o objetivo é valorizar os servidores municipais. “Os servidores estão sendo deixados de lado há anos. Professores e guardas municipais por exemplo estão com planos de carreira congelados. Se não investir no profissional como teremos um bom serviço público?”. E completa: “Não temos rabo preso com ninguém e poderemos fazer indicações técnicas para o secretariado, com servidores”.

Regalias

O candidato defende ainda o fim das regalias e a redução do número de cargos comissionados. “Temos 28 secretarias com estrutura com gabinetes, motoristas, verbas para maçaneta de ouro, água importada… temos que cortar na própria carne. (…) Eu ,quando vou trabalhar, vou com meu carro. Por que por ser prefeito tenho que usar carro da prefeitura?”.

Hoão Guilherme criticou os atuais políticos. Temos o atual prefeito com cargo e salário, deputados estaduais como Goura e Francischini e federais como Yared usando nosso dinheiro pra fazer campanha, recebendo salário, verbas de gabinete (…) se não mudar, vamos continuar pagando os salários deles para serem candidatos a cada dois anos”.

O candidato falou ainda que acredita que pode chegar ao segundo turno. “É possível sim. Vamos ao segundo turno e ganhar. Só é preciso que você acredite”.

Saiba aqui a ordem das próximas entrevistas.

Acompanhe a entrevista de João Guilherme, do Novo, na íntegra: