O pedido de demissão do ministro da Saúde, Nelson Teich, foi recebido com mensagens pessimistas e de lamentação por outros ex-ministros do governo Bolsonaro. Luiz Henrique Mandetta, antecessor de Teich no cargo, e Sergio Moro, ex-titular da Justiça e Segurança Pública, manifestaram-se pouco após o anúncio.

Ministro Luiz Henrique Mandetta (Reprodução)

 

“Oremos. Força, SUS. Ciência. Paciência. Fé!”, escreveu Mandetta no Twitter. “Fica em casa”, acrescentou o ex-ministro, que, como Teich, teve divergências com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) em relação à política de isolamento social no combate à pandemia do novo coronavírus.

Já Sergio Moro citou as mortes confirmadas no Brasil provocadas pela Covid-19. Sem fazer referência direta à saída de Nelson Teich após menos de um mês no ministério, o ex-juiz apontou as dificuldades enfrentadas.

“Cenário difícil, em plena pandemia, 13.993 mortes até ontem [quinta]. Números crescentes a cada dia. Cuide-se e cuide dos outros”, disse Moro, que também usou o Twitter para divulgar sua mensagem.

Mais uma mudança na pasta da Saúde também recebeu críticas de outros agentes políticos. O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), que se estabeleceu como um dos antagonistas de Bolsonaro, posicionou-se ao lado do ministro de saída.

“É mais um herói que se vai”, afirmou Witzel. “Minha solidariedade, ministro Nelson Teich. Presidente Bolsonaro, ninguém vai conseguir fazer um trabalho sério com sua interferência nos ministérios e na Polícia Federal. É por isso que governadores e prefeitos precisam conduzir a crise da pandemia e não o senhor, presidente.”