O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), criticou falas do titular do Planalto, Jair Bolsonaro (sem partido), proferidas nessa segunda-feira (28/12). O chefe do Executivo nacional questionou práticas de tortura durante a ditadura militar (1964-1985), inclusive as sofridas pela ex-presidente Dilma Rousseff (PT).

O mandatário do país fez insinuações de que a petista não teria sido torturada pelos militares durante o tempo em que ficou presa pela ditadura.

 

Foto: Reprodução

 

“Bolsonaro não tem dimensão humana. Tortura é debochar da dor do outro”, escreveu Maia, que é filho de Cesar Maia, então militante de esquerda que se exilou no Chile no fim da década de 1960 em função de perseguições da ditadura.

Em razão do exílio dos pais, Maia nasceu no Chile, sendo registrado no consulado do Brasil em Santiago, o que o caracteriza brasileiro nato. “Minha solidariedade a ex-presidente Dilma. Tenho diferenças com a ex-presidente, mas tenho a dimensão do respeito e da dignidade humana.”

Em nota divulgada nas redes sociais ainda na segunda, a petista afirmou que o presidente Bolsonaro tem “índole de torturador” e o classificou como um “sociopata, que não se sensibiliza diante da dor de outros seres humanos”. Pontuou ainda que ele “não merece a confiança do povo brasileiro”.

Para ler a matéria completa no Portal Metrópoles, parceiro da Banda B, clique aqui.

Matérias Relacionadas