Por Marina Sequinel

lula-pronunciamento(Foto: Reprodução/TV dos Trabalhadores)

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou, em pronunciamento realizado na tarde desta sexta-feira (4), que gostaria de ter vindo até a capital paranaense para prestar depoimento, sem precisar de um mandado de condução coercitiva. “O juiz Moro poderia ter me mandado um comunicado, me perguntado se eu gostaria de prestar depoimento. Eu iria para Curitiba, eu gosto de Curitiba”, declarou.

Lula é o principal alvo da 24ª fase da Operação Lava Jato. Segundo o procurador da República, Carlos Fernando Lima, há indícios de que o ex-presidente recebeu valores desviados da Petrobras.

Durante o pronunciamento, em resposta à ação da Polícia Federal, Lula ainda disse que é vítima de uma perseguição ao Partido dos Trabalhadores (PT). “Ser amigo do Lula parece que virou uma coisa perigosa. É preciso criminalizar o PT, criminalizar o Lula, porque ‘esses caras podem querer continuar no governo’”, completou o ex-presidente.

Na entrevista, ele também criticou a atuação do Ministério Público Estadual no processo. “Não precisaria levar uma coerção à minha casa, dos meus filhos. Não precisava, era só ter me comunicado. Antes dele, já fazíamos a coisa correta nesse país. Lamentavelmente preferiam usar a prepotência, a arrogância, o show de pirotecnia”, afirmou.

24ª Fase

Além da condução coercitiva, foram expedidos mandados de busca em diversos endereços do ex-presidente, como parte da 24ª fase da Operação Lava Jato. De acordo com o procurador da República, foram cerca de R$ 20 milhões para o Instituto Lula e mais R$ 10 milhões para palestras de empresas, que também financiaram benfeitorias do sítio em Atibaia e de um apartamento tríplex no Guarujá.

Notícias relacionadas

Após depoimento, Lula é recebido por militantes no diretório nacional do PT

Confira memes da condução coercitiva de Lula pela PF

Manifestantes entram em confronto em frente ao prédio de Lula em São Bernardo

Imprensa dos Estados Unidos repercute ação da PF que tem Lula como alvo

Para Instituto Lula, ação da PF foi violenta e agrediu Estado de Direito