Juíza confirmou invasão (Foto: Eduardo Matysiak/Futura Press/Folhapress)

A juíza substituta da Operação Lava Jato, Gabriela Hardt, afirmou nesta quarta-feira (12) que também teve o celular invadido. Por nota, a Justiça Federal de Curitiba informou que Hardt teve o aplicativo Telegram acessado indevidamente. Procuradores da força-tarefa da Lava Jato também relataram ter sido vítimas de invasões.

Segundo a Justiça Federal, aparentemente o aplicativo foi invadido pela mesma pessoa/grupo. “O fato foi imediatamente comunicado à Polícia Federal. A juíza não verificou informações pessoais sensíveis que tenham sido expostas e entende que a invasão de aparelhos de autoridades públicas é um fato grave que atenta contra a segurança de Estado e merece das autoridades brasileiras uma resposta firme”, descreve a nota.

Hardt também informou que espera que o Poder Judiciário, do qual faz parte, perceba tal gravidade e adote medidas firmes para repelir tais condutas.

Os celulares de dois procuradores de Brasília e de Deltan Dellagnol teriam sido invadidos em 10 de maio. A Polícia Federal apura as causas que levaram à invasão.