Da Agência Brasil

O ministro-relator dos processos da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, Teori Zavascki, autorizou a abertura de inquérito para investigar a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR), como “possivelmente implicada” nos desvios de recursos da Petrobras. Ex-ministra da Casa Civil do governo Dilma Rousseff, Gleisi teve representação criminal formulada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, por “suposta prática dos crimes de corrupção passiva qualificada e de lavagem de dinheiro”.

gleisi5(Foto: Divulgação)

De acordo com o pedido de abertura de inquérito formulado por Janot, Alberto Youssef afirmou que a senadora tinha conhecimento da estrutura que envolvia a distribuição e repasse de comissões no âmbito da Petrobras e que ela própria havia se beneficiado dessa distribuição. Ainda segundo a petição, o doleiro relatou a entrega de R$ 1 milhão para um homem em um shopping de Curitiba, para custear a campanha de Gleisi para o Senado.

Na petição divulgada pelo STF, Teori solicita que a senadora seja ouvida, que os documentos sobre o caso sejam juntados, que seja eliminado o sigilo dos procedimentos, além da instauração de inquérito. No despacho, o ministro do Supremo afirma que a representação é embasada em depoimentos colhidos por meio de delação premiada, mas não explicita quem citou Gleisi. Os principais delatores do esquema de corrupção foram Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, e o doleiro Alberto Youssef.

Teori Zavascki frisa, porém, que a abertura de inquérito “não representa juízo antecipado sobre autoria e materialidade do delito”. Ele justifica que a abertura do sigilo é importante em atenção aos “valores republicanos”, para que a “sociedade brasileira tome conhecimento dos fatos objeto da investigação”.

O magistrado deferiu nessa sexta-feira (6) 21 pedidos de abertura de inquérito sobre autoridades com suspeita de envolvimento em desvios na Petrobras. Ele delega ao juiz Márcio Schiefler Fontes, que atua em seu gabinete, para conduzir o inquérito criminal.

Por meio de nota, a senadora disse receber a notícia com “tristeza e ao mesmo tempo com tranquilidade”. Gleisi Hoffmann se coloca à disposição para colaborar com o processo investigatório e declara não conhecer nem jamais ter tido contato com Paulo Roberto Costa e Alberto Youssef. Ela afirma não temer a investigação e declara que terá condições de provar que nada tem com o esquema. “A investigação é oportunidade de esclarecimento dos fatos e espero que seja a forma de acabar com o julgamento antecipado.”

Notícia relacionada

STF divulga nome dos políticos investigados na Operação Lava Jato; confira a lista com três paranaenses