O ex-prefeito de Curitiba e atual deputado federal pelo PDT, Gustavo Fruet, não esconde de ninguém: quer voltar a comandar a prefeitura da capital paranaense. Sabe que, caso seja o nome escolhido pelo partido, terá um embate direto com o atual prefeito Rafael Greca (DEM), aliás exatamente o que ele quer.

“Sim, quero disputar a prefeitura de Curitiba no ano que vem e com dois focos: a defesa do legado comparando o que foi feito pela a atual gestão, lembrando a situação econômica diferente, mas principalmente para discutir qual o futuro que queremos para Curitiba e região Metropolitana. Mas como diz na Bíblia, tudo tem seu tempo determinado. Estamos conversando com diversos setores lembrando que o debate local deve prevalecer no ano que vem”, disse Fruet, em entrevista à Banda B nesta quarta-feira (11).

Deputado e ex-prefeito Gustavo Fruet – Foto SMCS

Em maio, Fruet deu um importante passo na direção de ser o nome do PDT para a disputa quando foi reconduzido à presidência do partido na convenção municipal. De qualquer forma, diz que ainda é cedo.

“Há uma chance concreta da disputa, mas, em respeito ao calendário eleitoral e a crise em relação ao cenário político, esta definição só vai ocorrer no ano que vem”, completou.

Fruet foi eleito no pleito de 2018 para a Câmara dos Deputados, onde exerce seu quarto mandato na Casa. Venceu a eleição para comandar a capital em 2012, mas em 2016 não conseguiu se reeleger e Greca foi o vitorioso.

Além de Greca, Fruet pode disputar a prefeitura também com nomes como o deputado estadual Delegado Francischini (PSL), o deputado federal licenciado Ney Leprevost (PSD), hoje no primeiro escalão da gestão Carlos Massa Ratinho Junior (PSD) no governo do Paraná, o médico João Guilherme de Moraes (Novo), o ex-deputado João Arruda (MDB), Luizão Goulart (Republicanos), entre outros nomes ainda não confirmados.