A governadora Cida Borghetti informou ao governador eleito, Ratinho Júnior, que a transição administrativa será iniciada no dia 19 de novembro e não mais no início de dezembro, como estava previsto. Os dois se reuniram nesta terça-feira (6) no Palácio Iguaçu, em Curitiba, e acertaram detalhes do processo. “Seguimos determinados a realizar a transição com harmonia, responsabilidade e transparência total”, afirmou Cida.

No encontro, Cida confirmou a equipe de governo que vai coordenar o processo de transição por parte da atual administração estadual. O grupo será liderado pelo chefe da Casa Civil, Dilceu Sperafico, e será formada pelos secretários Silvio Barros (Desenvolvimento Urbano) e José Luiz Bovo (Fazenda); pelo controlador-geral do Estado, Carlos Eduardo de Moura, e o procurador-geral do Estado, Sandro Kozikoski.

A governadora também disponibilizou o espaço conhecido como Chapéu Pensador, que fica na sede da Copel no bairro Bigorrilho, em Curitiba, salas da Secretaria da Fazenda e da vice-governadoria para que as equipes possam se reunir e trocar informações.

Além disso, explicou que toda a equipe de gestão foi mobilizada para produzir relatórios sobre cada área do Estado, elencando ações em andamento e prioridades que precisam de atenção. “Pedi agilidade na apresentação deste material, para que possa colaborar com a equipe do futuro governo”, destacou a governadora, que também comunicou ao governador eleito que ele foi um dos escolhidos para receber a Ordem do Pinheiro neste ano.

O governador eleito agradeceu a gentileza da governadora na antecipação do processo de transição. “Queremos iniciar em janeiro da forma mais organizada possível”, disse Ratinho Jr. Ele se comprometeu a enviar os nomes da equipe de sua transição, que deverá ser liderada pelo ex-ministro Reinhold Stephanes, nos próximos dias.

PPPs

Na reunião, também ficou combinado que no dia 19 de novembro as equipes do governo atual e do futuro discutirão um projeto de lei sobre as Parcerias Público-Privadas (PPPs). O jurídico de ambos governos, que têm projetos sobre o tema, vão se reunir para ver quais são os pontos convergentes. “Nossa ideia é enviar um projeto casado à Assembleia Legislativa ainda este ano”, disse Cida Borghetti.