Acusada de matar o marido, a deputada federal Flordelis (PSD-RJ), de 59 anos, foi intimada na noite de terça-feira, 6, pela Justiça do Rio de Janeiro a se apresentar no prazo de até 48 horas à secretaria de Administração Penitenciária (Seap) do Estado do Rio para instalar uma tornozeleira eletrônica.

A parlamentar, que é pastora evangélica e cantora gospel, é considerada pela Polícia Civil do Rio a mandante do assassinato do próprio marido, o pastor Anderson do Carmo, morto em 16 de junho de 2019 ao chegar em casa, em Niterói (Região Metropolitana do Rio). Ele tinha 42 anos.

 

Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados/Agência Senado

Em 24 de agosto, Flordelis foi denunciada pelo Ministério Público do Estado do Rio (MP-RJ) por quatro crimes consumados e um tentado: homicídio triplamente qualificado, tentativa de homicídio duplamente qualificado, associação criminosa, uso de documento falso e falsidade ideológica. Com imunidade parlamentar, ela não foi presa. Sete filhos e uma neta de Flordelis, também denunciados pelos crimes, estão presos.

Em 18 de setembro, a pedido do MP-RJ, a juíza Nearis dos Santos Arce, da 3ª Vara Criminal de Niterói, determinou que a deputada use tornozeleira e não saia de casa das 23h às 6h. A ordem judicial, no entanto, só tem eficácia a partir da intimação da parlamentar. Como os oficiais de justiça não conseguiam localizar Flordelis, em 1 de outubro a juíza determinou que ela fosse intimada mesmo fora do horário de expediente do TJ-RJ e “se necessário com auxílio da força policial”.

A parlamentar só foi intimada às 19h desta terça-feira (fora do horário de expediente do TJ-RJ e 18 dias após a ordem judicial), em sua casa em Niterói. Ela tem até as 19h de quinta-feira (8) para instalar a tornozeleira.