Um dos três filhos do ex-governador e candidato ao Senado Beto Richa (PSDB), André Richa, prestou depoimento nesta quinta-feira (13) ao Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco). Ele é sócio a empresa BFMAR, que, segundo os promotores, teria sido usada para lavar dinheiro com recursos desviados por meio de corrupção. Segundo o Gaeco, André foi ouvido na condição de declarante e não de investigado.  Não foi informado o teor do depoimento.

 

Beto e Fernanda Richa – Foto: Arquivo

Está marcado para as 10 horas da manhã desta sexta-feira (14) o encontro de Beto e Fernanda Richa com os procuradores do Gaeco. O casal será levado do regimento da PM, no Tarumá, até a sede do Gaeco no Ahú.

Beto e Fernanda estarão acompanhados de seus advogados e, provavelmente, farão uso da prerrogativa de se manterem em silêncio para não produzirem provas contra si mesmos. Preferirão contar o que sabem apenas perante juízes no decorrer do processo – desde que, porém, o silêncio não contribua para que a prisão temporária de cinco dias (que se esgotam no sábado 15) seja prorrogada por mais cinco, informa o colunista Celso Nascimento, na Contraponto.

Os procuradores vão procurar esclarecer dúvidas sobre a veracidade das suspeitas que pesam contra o ex-governador e esposa de que teriam se beneficiado de recursos ilícitos oriundos de pagamentos realizados pelo governo a empresas que alugavam máquinas e equipamentos para o programa Patrulha do Campo. Os indícios foram levantados após delação do empresário Tony Garcia, que entregou uma tonelada de áudios comprometedores ao Gaeco, que deflagrou a Operação Rádio Patrulha.

Nesta quinta (13) prestaram depoimentos no Gaeco outros presos da Operação: o irmão Pepe Richa, os ex-secretários Deonilson Roldo e Ezequias Moreira, o empresário Celso Frare, o contador Dirceu Pupo e o servidor do DER Aldair Petry. O primo-distante Luiz Abi Antoun foi ouvido em Londrina.

Habeas corpus

Nesta quinta-feira, a ministra Laurita Vaz, da 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), negou o pedido de habeas corpus impetrado pela defesa do ex-governador Beto Richa (PSDB), assim como o pedido da defesa de Fernanda. O caso segue sendo analisado pela Corte. A prisão preventiva do casal vence nesta sábado, podendo ser prorrogada ou não a critério da Justiça.

Defesa

Em nota, Richa disse que enfrenta com serenidade e confiança qualquer acusação. “Mas devo dizer que eu e minha família estamos sofrendo muito com a injusta condenação que nos está sendo imposta. Sou um homem público há mais de duas décadas, com a mesma honradez. Tenho a consciência em paz e sei que, no devido tempo, a verdade sempre se impõe. Garanto a você, que me conhece e para quem exerço com responsabilidade a vocação que Deus me deu: nada devo e sigo confiando na justiça”, descreveu.