Foto: Divulgação

O delegado da Polícia Federal, Maurício Moscardi Grillo, relatou nesta segunda-feira, 5, que houve trocas de e-mails “bastante consistentes” entre executivos da BRF (marca dona de Sadia, Perdigão e Batavo) e técnicos, com o objetivo de burlar a fiscalização e a atuação do Ministério da Agricultura. Grillo participa de entrevista coletiva na manhã desta segunda-feira, 5, na Polícia Federal, em Curitiba (PR), para detalhar a Operação Trapaça, nova fase da Operação Carne Fraca, deflagrada em 17 de março do ano passado.

O ex-presidente da BRF Pedro de Andrade Faria  e o ex-diretor-vice-presidente Hélio Rubens Mendes dos Santos Júnior foram presos.

Segundo a PF, cinco laboratórios credenciados junto ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), e setores de análises do grupo empresarial, fraudavam resultados de exames em amostras de seu processo industrial, informando ao Serviço de Inspeção Federal (SIF/Mapa) dados fictícios em laudos e planilhas. As fraudes tinham como finalidade burlar a fiscalização federal.

O delegado da PF explicou que foi encontrada alteração do porcentual limite de um tipo patológico. Por exemplo, a exigência legal de enquadramento era de 20%, mas foi analisada amostra com uma taxa de 70%. Segundo o delegado, a empresa não tomou cuidados sanitários em relação à contaminação do produto.

Além disso, foi constatada fraude na mistura da ração fornecida para frango, a chamada ração Premix. “Foram encontradas alterações no composto”, relatou. “Não resta qualquer tipo de dúvida que houve fraude”, disse.

Grillo destacou que o Ministério da Agricultura foi parceiro da Polícia Federal, na investigação. “O trabalho em conjunto rendeu muitos resultados positivos”, salientou.

Salmonela

O coordenador geral do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa) do Ministério da Agricultura, Alexandre Campos, afirmou que, em 2017, 12 países fizeram 410 notificações ao Brasil sobre a presença de salmonela em produtos importados do País. Em coletiva de imprensa da Polícia Federal (PF), Campos ressaltou que o principal problema das fraudes envolvendo laboratórios e estabelecimentos exportadores estava relacionado à presença ilegal da bactéria salmonela.

A salmonela, comum em carnes de aves, é permitida para comercialização até determinados níveis, porém, 12 países compradores a colocam como requisito restritivo para venda.

De acordo com o delegado da PF, Maurício Moscardi Grillo, três empresas estão sendo fiscalizadas pelo Ministério da Agricultura em parceria com a PF em busca de provas e outras sete estão sendo investigadas.