Ex-ministro de Michel Temer (MDB), o deputado federal Ricardo Barros (Progressistas) é cotado para assumir o Ministério da Saúde do Governo Jair Bolsonaro logo após o início da vacinação contra a Covid-19 no Brasil.

A informação foi divulgada nesta quarta-feira (30) pela colunista Thaís Oyama, do Portal UOL.

Foto: Maryanna Oliveira/Câmara dos Deputados

Um dos pontos que teria pesado contra o atual ministro, Eduardo Pazuello, seria o pregão eletrônico realizado para a compra de seringas e agulhas previstas para serem usadas na vacinação contra a Covid-19. De um total de 331 milhões unidades previstas para serem adquiridas, a pasta conseguiu fornecedor para apenas 7,9 milhões. O preço cobrado pelas empresas teria ficado maior que o valor estimado pelos técnicos do governo.

Nas redes sociais, porém, Barros despistou sobre uma possível negociação. “Pazzuello está fazendo grande trabalho de gestão no ministério. É disso que a saúde precisa. Usar bem os recursos que tem. Quanto a vacina, a cláusula leonina que o fabricante quer no contrato, de isenção responsabilidade por efeitos adversos emperra a negociação. AGU [Advocacia Geral da União] em ação.”