Redação

João Doria – prefeito de São Paulo – Divulgação

O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB) está em Curitiba nesta quinta-feira (3) para falar a empresários sobre gestão pública e privada. Antes do evento na Universidade Positivo, Doria falou ao vivo no Jornal da Banda B e disse estar aliviado com a decisão tomada na Câmara Federal na noite de ontem, barrando o prosseguimento da denúncia por corrupção contra o presidente Michel Temer no Supremo Tribunal Federal. Embora o PSDB tenha rachado na votação com 22 votos favoráveis a temer e 21 contrários, Doria acredita que a decisão foi acertada em prol da economia brasileira.

“Neste momento no Congresso, goste ou não, apoie ou não o presidente Michel Temer, esta decisão ajuda a serenar um pouco o país e colocar a economia no campo da recuperação para estancar o desemprego. Quem sabe no ano que vem já possamos voltar a crescer”, afirmou Doria em conversa com a jornalista Denise Mello.

Questionado se votaria a favor do relatório de Paulo Abi-Ackel (PSD-MG), que recomendava a rejeição da denúncia, caso fosse parlamentar, Doria preferiu não definir posição. “Não sou parlamentar e nem pretendo ser. Minha atuação é no plano executivo e nesta área a estabilidade é a melhor alternativa para o Brasil. E também não sou juiz. Cabe a Justiça e o Ministério Público investigar e oferecer todo o direito de defesa a quem quer que seja”, completou.

Presidência em 2018

Doria, eleito com 53% dos votos no 1º turno para a prefeitura de São Paulo, vem sendo apontado como um possível pré-candidato do PSDB à Presidência da República em 2018. Citação que o deixa orgulhoso, mas não o faz assumir a condição. Pelo menos neste momento. “Fico feliz de ser lembrado para disputar a Presidência, mas tenho apenas sete meses como prefeito e minha obrigação é honrar os votos que tive e também os que não tive (…) E, além do mais, não é hora de estimular esta indicação. Mais no final do ano iremos fazer esta avaliação. De qualquer forma, deixo claro que tenho uma relação de lealdade ao governador Geraldo Alckmin, que é manifestadamente pré-candidato. Tenho muito respeito por ele”, disse Doria.

O prefeito de São Paulo também falou sobre as dificuldades da prefeitura, sobre o déficit de R$ 7,5 bilhões que assumiu do governo anterior do PT e sobre os cortes que vem fazendo dentro de um ajuste fiscal.

O tucano veio participar de uma palestra promovida pelo G7, das 11h30 às 14h30 no Salão de eventos da UP, no prédio da Pós-Graduação. Doria falará aos empresários paranaenses sobre “Gestão pública e gestão privada: a experiência e os possíveis choques”.