Reprodução

João Doria, candidato do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB), foi eleito governador do Estado de São Paulo neste domingo, 28. Com 96% das urnas apuradas, Doria tem 51,73% dos votos. Seu concorrente, Márcio França, do Partido Socialista Brasileiro (PSB), está com 48,27% dos votos.

No primeiro turno, Doria teve 6.431.555 votos (31,77%), enquanto França teve 4.385.998 (21,53%).

Doria iniciou sua carreira política em 1983 como secretário de turismo em São Paulo. Em 1986, assumiu o cargo de presidente da Embratur e do Conselho Nacional de Turismo na gestão de José Sarney e foi eleito prefeito de São Paulo em 2016 pelo PSDB.

No entanto, para concorrer nas eleições para governador, teve de renunciar ao cargo ainda no segundo ano de mandato, deixando a posição com seu vice, Bruno Covas.

Votação dos candidatos
Doria chegou antes do anunciado para votar na manhã deste domingo, 28, no Colégio St. Pauls, no Jardim Paulistano, zone oeste de São Paulo. O tucano chegou em uma van acompanhado do prefeito Bruno Covas, do ministro das Comunicações, Gilberto Kassab (PSD), da deputada eleita do PSL Joice Hasselmann, da senadora eleita Mara Gabrilli (PSDB) e de outras lideranças do seu partido.

Após votar, Doria mais uma vez exaltou o PSL de Jair Bolsonaro e a chapa “Bolsodoria” – ele usava camiseta amarela com esse mote quando votou. O ex-prefeito disse que tem o apoio do “PSL verde-amarelo”, mas enfrentou uma saia justa quando a senadora eleita Mara Gabrili foi questionada sobre seu voto para presidente. “Voto no João Doria”, disse ela, evitando declarar voto em Bolsonaro.

França votou na manhã deste domingo em uma escola estadual no Itaim Bibi, zona sul de São Paulo. Estava acompanhado da esposa Lúcia e de alguns assessores e políticos. “Acho que São Paulo vai dar um recado firme em direção à verdade e também à união”, afirmou.

O governador disse estar confiante em uma vitória sobre o ex-prefeito da capital João Doria (PSDB). “De virada é sempre mais gostoso”. França atribuiu sua subida ao desempenho no último debate, na quinta-feira, 25, na TV Globo.

“Acho que a partir do debate houve uma mudança muito forte em função, na minha visão, do desempenho inseguro do meu concorrente para um debate daquela importância, lendo livro, lendo textos. Não foi compatível com os outros debates que ele mesmo tinha feito. E acho que isso foi decisivo para que nós pudéssemos mudar a curva aqui em São Paulo. E essa curva, normalmente quando começa, acentua no dia (da eleição)”, disse França.

Pesquisa Ibope/Estado/TV Globo divulgada no sábado, 27, mostrou que o governador subiu três pontos na reta final da campanha e empatou numericamente com João Doria (PSDB). Ambos teriam 50% dos votos válidos, segundo o levantamento.