A diretora de Avaliação da Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), Sônia Nair Báo, pediu demissão do cargo por causa de desgastes com a presidência do órgão com as intervenções do MEC (Ministério da Educação).

O cargo que era ocupado por Bao é um dos mais relevantes da Capes, responsável pela política de avaliação dos programas de pós-graduação. A Capes é ligada à pasta comandada por Abraham Weintraub.

O pedido de demissão foi feito na sexta-feira (17) e a exoneração oficial deve sair nesta semana. Esse não é um caso isolado de pedido de demissão recente nas áreas da educação e pesquisa por causa de descontentamento.

O então secretário de Educação Básica do MEC, Janio Macedo, se demitiu no dia 9 deste mês por discordâncias com Weintraub e sua postura ideológica. Na última sexta, o ministro da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, Marcos Pontes, demitiu o presidente do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) João Luiz Filgueiras de Azevedo -que vinha combatendo o esvaziamento do órgão.

Foto: Divulgação

Um dos cotados para assumir a diretoria de Avaliação é o bioquímico e professor da Unicamp Marcos Eberlin. A exemplo do presidente da Capes, Benedito Aguiar, o professor Eberlin também é entusiasta do chamado design inteligente -roupagem do criacionismo que advoga uma natureza teológica da origem do universo, em contraponto ao darwinismo.

Sônia Báo é professora do departamento de biologia celular da UnB (Universidade de Brasília) e ocupava a diretoria de Avaliação desde o governo Michel Temer (MDB). Sua atuação na Capes tinha respaldo de pesquisadores e entidades representativas da área.

Sob a gestão Bolsonaro, ela acumulava desconfortos desde o ano passado. Segundo pesquisadores consultados pela Folha de S.Paulo, Báo argumentava que sua permanência no cargo se dava pelo compromisso, sobretudo, com a consolidação de um novo modelo de avaliação dos programas desenvolvido pela Capes desde o governo passado e apresentado já nesta gestão.

Relatos recebidos pela reportagem indicam novo episódio de desgaste envolvendo a prorrogação de prazos para universidades entregarem os dados sobre os programas de pós-graduação. O presidente da Capes estaria tutelado por assessores de Weintraub, que não concordavam com mudanças nos prazos -a prorrogação, no entanto, deve ocorrer.

Foi por causa de intervenções de Weintraub que a Capes alterou em março regras para concessão de bolsas que haviam sido estipuladas pela própria agência no mês anterior.

As novas regras desorganizaram a concessão de bolsas e reduziram o fomento na área de humanas. Ainda causaram revolta em pesquisadores e o Ministério Público Federal entrou na Justiça para suspender a portaria.

A Capes se nega a apresentar o quadro geral de bolsas por programa de pós, de modo a dar transparência aos efeitos da regra. No início de abril, a Folha de S.Paulo revelou que o novo regramento havia provocado o corte de cerca de 6.000 bolsas de pesquisa -o órgão disse que foi um erro e prometeu restituir os benefícios.

Questionada, a Capes diz que a diretora pediu demissão por motivos pessoais. A professora Sônia Báo não quis falar à Folha de S.Paulo.